AFP PHOTO / COLOMBIA'S SUPREME COURT OF JUSTICE / DIEGO MENJURA
AFP PHOTO / COLOMBIA'S SUPREME COURT OF JUSTICE / DIEGO MENJURA

Justiça da Colômbia investigará Álvaro Uribe por fraude e suborno

Ex-presidente é suspeito de ter pressionado testemunhas que poderiam vinculá-lo a paramilitares suspeitos de narcotráfico

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 16h07

BOGOTÁ - A Corte Suprema da Colômbia decidiu na madrugada desta quarta-feira, 9, dar prosseguimento às investigações de fraude e suborno contra o ex-presidente Álvaro Uribe, que governou o país entre 2002 e 2010.

Uribe é suspeito de ter pressionado testemunhas que poderiam vinculá-lo a paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC). Esse grupo armado de extrema direita fez parte do conflito armado na Colômbia entre a década de 90 e os anos 2000 e é suspeita de narcotráfico e violação de direitos humanos. 

Uribe depôs por sete horas na terça-feira diante de um juiz em Bogotá. “Defendi minha lealdade à verdade”, disse o ex-senador ontem em um pequeno ato para seus partidários. 

O ex-presidente nega as acusações de vínculos com os paramilitares, que, com o colapso dos cartéis de Medellín e Cali, passaram a disputar com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e outros grupos menores o controle do narcotráfico no país. 

Analistas consideram o caso um importante teste para o judiciário colombiano, que há anos tem sido criticado por não punir políticos e militares acusados de corrupção. “É crucial que a Justiça trate esse caso com rigor e imparcialidade”, avaliou Adam Isacson, especialista em Colômbia no Washington Office on Latin America. 

Uribe é uma das principais lideranças políticas do país. Em 2016 ele liderou a vitória do não no referendo sobre o acordo de paz com as Farc. Dois anos depois, ele apoiou o atual presidente, Iván Duque, na campanha que o levou ao Palácio de Nariño. 

Suspeitas contra Uribe datam dos anos 80

As suspeitas de irregularidades contra o ex-presidente, no entanto, não são novas. Nos anos 80, depois de ter sido prefeito de Medellín, Uribe foi acusado de conceder licenças de aviação a narcotraficantes quando dirigia a agência de aviação civil da Colômbia. 

Segundo documentos do Departamento de Estado americano, diplomatas do país receberam nos anos 90 relatos de que Uribe era próximo de narcotraficantes. 

O ex-presidente, no entanto, rechaça todas essas acusações. No governo, ele foi um importante aliado dos Estados Unidos na implementação do Plano Colômbia e no combate as Farc.

Sob seu comando, os principais líderes da guerrilha foram mortos, como foi o caso de Raúl Reyes, alvo de um ataque na fronteira com o Equador em 2008. Ele também extraditou diversos suspeitos de narcotráfico para Washington. 

Ex-presidente nega acusações

"Nunca pensei que meu amor pela Colômbia me criaria essas dificuldades jurídicas”, acrescentou o ex-presidente. 

 Uribe é suspeito de ter subornado o ex-paramilitar Juan Guillermo Monsalve a mudar um testemunho sobre uma suposta colaboração de Uribe na fundação da AUC. Foi no governo do ex-presidente que a milícia foi desmobilizada. 

Segundo Monsalve, um advogado do ex-presidente, Diego Cardena, o pressionou para alterar o testemunho. O mesmo teria ocorrido com um segundo paramilitar da AUC. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.