Justiça da Grã-Bretanha libertará Biggs

Ladrão do trem pagador recebe condicional por problema de saúde

Estefano Ambrogi, Reuters, LONDRES, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2009 | 00h00

Ronnie Biggs, que por sua participação no famoso assalto ao trem pagador, em 1963, tornou-se o criminoso mais conhecido da Grã-Bretanha, será libertado por problemas de saúde, anunciou ontem o ministro da Justiça, Jack Straw, que um mês atrás havia rejeitado conceder a liberdade condicional. Biggs fugiu da cadeia na década de 60, e passou décadas como foragido no Brasil, onde, desprezando as tentativas de extradição das autoridades britânicas, levou uma existência de playboy e tornou-se uma lenda do mundo do crime. Atualmente com 79 anos, regressou à Grã-Bretanha por vontade própria em 2001, e desde então ficou na prisão, mas o declínio de sua saúde provocou um debate sobre se ele deveria ser solto após cumprir um terço de sua sentença de 30 anos de prisão. "As evidências mostram claramente que Biggs está muito doente e, nos últimos tempos, sua situação piorou, levando a uma nova internação. Segundo os médicos, sua condição não deverá melhorar", declarou Straw. Biggs, que estava na prisão de Norwich, no leste da Inglaterra, foi hospitalizado com infecção pulmonar. Em 1963, com os outros 11 integrantes do bando, ele roubou do trem pagador, que ia de Glasgow a Londres, 2,6 milhões de libras - cerca de 30 milhões de libras (US$ 49 milhões) em valores de hoje. O crime ficou conhecido como o assalto ao trem pagador. No ano seguinte, Biggs foi preso e condenado a 30 anos de prisão, mas conseguiu fugir do presídio depois de apenas 15 meses. Biggs usou sua parte do roubo para pagar uma cirurgia plástica e documentos para uma passagem para a Austrália, onde voltou a exercer seu antiga profissão de carpinteiro e decorador. Mais tarde foi para o Brasil, via Panamá e Venezuela. Em 2001, ele se entregou à polícia, depois de passar 36 anos como foragido da Justiça. O ministro britânico disse que, inicialmente, decidiu rejeitar a liberdade condicional principalmente porque Biggs não "mostrou nenhum remorso por seus crimes e nem preocupação com as punições que lhe foram determinadas". Mas Straw mudou de ideia ao levar em consideração a saúde de Biggs, principalmente por causa da possibilidade de que ele pode morrer em breve, e por talvez ser obrigado a permanecer numa cama ou por tornar-se incapacitado. Segundo o Ministério da Justiça, Biggs será libertado hoje. No sábado, o famoso ladrão completará 80 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.