Justiça da UE equipara pensões de casais homossexuais

Casais homossexuais vivendo em união estável têm o direito às mesmas pensões estipuladas para outros casais casados, decidiu na terça-feira o principal tribunal europeu, numa sentença que pode ter profundo impacto sobre o setor previdenciário.

CHRISTO, REUTERS

10 de maio de 2011 | 17h07

O caso havia sido remetido à Corte Europeia de Justiça por um tribunal trabalhista de Hamburgo, porque a prefeitura da cidade alemã havia negado a um funcionário administrativo, vivendo em união civil com um parceiro há mais de dez anos, um benefício tributário habitualmente concedido a pessoas casadas que se aposentam depois de pagarem previdência privada suplementar.

"Uma pensão suplementar por aposentadoria paga a um parceiro numa união civil, sendo menor do que a concedida num casamento, pode constituir uma discriminação por orientação sexual", disse a CEJ em sua sentença.

A decisão pode ter repercussões para fundos de pensão e outros órgãos previdenciários em todos os 27 países da UE, que agora seriam obrigados a conceder pensões mais elevadas ou mesmo retroativas a pessoas com união estável homossexual.

A corte disse que o peticionário havia pagado contribuições previdenciárias iguais às de seus colegas casados, e que teria recebido uma aposentadoria maior caso fosse casado com uma mulher.

A decisão da CEJ cria jurisprudência e deve ser aplicada em todos os Estados membros.

"As mesmas obrigações recaem tanto sobre parceiros registrados quanto para cônjuges casados", disse a sentença. "O direito ao tratamento igual pode ser reivindicado por um indivíduo contra uma autoridade local."

(Reportagem de Christopher Le Coq)

Tudo o que sabemos sobre:
UEGAYSDIREITOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.