GABRIELA BILO / ESTADÃO
GABRIELA BILO / ESTADÃO

Justiça de Roraima suspende taxas de visto de residência para venezuelanos

Ministério Público e Defensoria Pública argumentaram que 'para muitos migrantes (...) o valor da taxa expressa valores exorbitantes'

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 19h20

BOA VISTA  - A Justiça Federal de Roraima determinou a isenção da cobrança de uma taxa para os venezuelanos que buscam residência temporária no Brasil, na tentativa de escapar de uma “crise humanitária” no país caribenho, segundo decisão preliminar divulgada nesta terça-feira, 1º. 

O Ministério Público e a Defensoria Pública argumentaram que “para muitos migrantes (...) o valor da taxa expressa valores exorbitantes, notadamente diante da situação de miserabilidade que justamente os motivou a transpor a fronteira em direção ao território brasileiro”. O pedido foi emitido na véspera em Boa Vista.

Devido à chegada crescente de venezuelanos, o Brasil emitiu uma resolução, em fevereiro, para conceder visto de residência temporária por dois anos a venezuelanos que, entre outros requisitos, cheguem ao país por terra. 

Para completar o trâmite, os solicitantes devem pagar pouco mais de R$ 300. Mas a maioria dos venezuelanos que chegam ao Brasil solicitam refúgio, que não tem custos e garante estadia legal durante todo o processo, que pode demorar até dois anos. 

Até junho, 7,6 mil venezuelanos pediram refúgio no Brasil, mais do que o dobro em comparação aos 3.368 que solicitaram esse status no ano passado. A maioria dos pedidos em 2017 – 6.438 – foi registrada em Roraima. 

Apesar da grande quantidade de pedidos, apenas 37 venezuelanos foram reconhecidos como refugiados no Brasil desde 2013, segundo dados do Ministério da Justiça.

Por outro lado, apenas 295 venezuelanos pediram residência temporária por meio da resolução de fevereiro. “É muito difícil para quem vem com uma mão na frente e a outra atrás pagar US$ 100. Isso é quase um ano de salário mínimo na Venezuela”, disse Eduardo Arcas, um venezuelano que vive em Manaus há quase dois anos e aguarda decisão sobre seu pedido de refúgio.

Segundo a decisão judicial emitida em Boa Vista, a urgência da medida se deve ao fato de “a crise humanitária” do país governado por Nicolás Maduro ter levado a “um incontável número de seus nacionais” a entrar no Brasil, “trazendo consigo apenas a roupa do corpo”. 

Segundo a ONU, nos seis primeiros meses de 2017, 52 mil venezuelanos pediram asilo no exterior. Em 2016, foram 27 mil. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.