Justiça denuncia genro de rei espanhol acusado de desfalque

Para evitar prisão, Iñaki Urdangarin terá de pagar 8,1 milhões em 5 dias; ele é investigado por enriquecimento ilícito

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2013 | 02h08

A Justiça da Espanha acusou ontem um membro da família real espanhola de "enriquecimento ilícito" e estabeleceu uma fiança de 8,1 milhões antes mesmo do início do julgamento. O duque de Palma, Iñaki Urdangarin, casado com uma das filhas do Rei Juan Carlos, é suspeito de desviar milhões de euros em dinheiro público, usando uma empresa de fachada.

Numa sentença, o juiz José Castro explica que denuncia o duque e seu sócio por "despeitar as regras de licitação pública para conseguir seus objetivos, que eram o de desviar fundos públicos para o benefício próprio".

Para evitar ser preso, o genro do rei terá de fazer o depósito nos próximos cinco dias. Outra opção é que suas propriedades sejam confiscadas e embargadas pela Justiça. O juiz ainda ordenou o fim dos contratos milionários que o duque fechou com o governo de Valência e outras comunidades autônomas.

O esquema era montado com a ajuda de uma fundação que emitia notas frias e prestava serviços jamais realizados. O rei exigiu que o duque abandonasse suas atividades na fundação. Mas as investigações mostraram que ele, apesar de oficialmente afastado, continuou atuando.

Há duas semanas, o Estado mostrou como o duque chegou a obter com suas empresas um contrato de US$ 70 mil com o Banco Interamericano de Desenvolvimento para desenhar uma estratégia sobre como o Rio de Janeiro deveria se preparar para os Jogos Olímpicos de 2016.

O escândalo levou a popularidade da família real a seu pior nível desde 1975. O rei afastou o duque de atividades públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.