Justiça detém deputado torturador

O ex-subdelegado Luis Abelardo Patti, líder do Partido de Unidade Federalista (Paufe), de extrema direita, acusado de torturas e assassinatos durante a ditadura foi detido ontem de forma preventiva. Patti é acusado do desaparecimento e assassinato de Gastón Goncalvez, Carlos Souto e Diego Muñiz Barreto em abril de 1976.A defesa de Patti tentou argumentar que ele tem imunidade parlamentar, já que foi eleito deputado em 2005 com 400 mil votos. Mas a Justiça desconsiderou o pedido, pois ele nunca conseguiu assumir a cadeira na Câmara. Os deputados impugnaram sua posse por seu passado de torturador. Em várias ocasiões, ele admitiu que poderia ser considerado "repressor e torturador", mas nunca "ladrão".Patti entrou para a política nos anos 90, quando elegeu-se prefeito de Escobar, município da Grande Buenos Aires, com o discurso de mão de ferro contra a criminalidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.