AP Photo/Rodrigo Abd
AP Photo/Rodrigo Abd

Justiça do Peru debate prisão de Humala

Ele e a mulher alegam ser inocentes e vítimas de perseguição política

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2017 | 19h46

LIMA - A Justiça do Peru começou a debater nesta quarta-feira, 12, o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Ollanta Humala (2011-2016) e sua mulher, Nadine Heredia. 

Na terça-feira, o Ministério Público solicitou a prisão por 18 meses do casal Humala em virtude do suposto envolvimento dos dois no caso Odebrecht. Segundo a procuradoria, o casal recebeu US$ 3 milhões da construtora para a campanha eleitoral de Humala em 2011. A informação consta do acordo de delação premiada fechado por Marcelo Odebrecht com a Justiça brasileira e repassado às autoridades peruanas. 

Humala e Nadine preferiram não comparecer à audiência por recomendação de seus advogados. Eles alegam ser inocentes e vítimas de perseguição política. A Odebrecht diz ter pago US$ 29 milhões em subornos no Peru nos governos de Humala, Alejandro Toledo e Alan García.

Professor nos EUA, Toledo teve a prisão pedida pela polícia e tem contra si um pedido de extradição. Ele também alegou inocência. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Peru Ollanta Humala Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.