Eric Thayer/REUTERS
Eric Thayer/REUTERS

Justiça dos EUA investiga se ucranianos usaram ex-advogado de Trump para interferir em eleição

Kiev teria espalhado alegações infundadas de corrupção sobre Biden por meio de vários canais, na tentativa de favorecer o ex-presidente Donald Trump

William K. Rashbaum, Ben Protess, Kenneth P. Vogel e Nicole Hong, The New York Times, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 22h07

NOVA YORK - A Justiça Federal de Nova York apura se várias autoridades ucranianas ajudaram a orquestrar um amplo plano para interferir nas eleições presidenciais americanas, divulgando alegações enganosas sobre o presidente Joe Biden para inclinar a votação em favor do ex-presidente Donald Trump, por meio de Rudy Giuliani, advogado do ex-presidente. O caso foi revelado pelo jornal The New York Times, que cita fontes próximas à investigação. Em 2019, Trump sofreu um processo de impeachment por pressionar autoridades ucranianas a implicar Biden em casos de corrupção.

A investigação criminal, que começou durante os últimos meses do governo Trump e não foi relatada anteriormente, ressalta a abordagem cada vez mais agressiva do governo federal para erradicar a interferência estrangeira na política eleitoral americana.

Grande parte desse esforço está focado na inteligência russa, suspeita de manter vínculos com pelo menos um dos ucranianos sob investigação. O inquérito se desenvolve separadamente de uma investigação federal de longa data em Manhattan que visa Rudy Giuliani, à época advogado pessoal de Donald Trump.

Embora as duas investigações tenham um elenco semelhante de personagens e se sobreponham em alguns aspectos, Giuliani não é objeto da investigação em NY, disseram as fontes. Em vez disso, os promotores do Brooklyn, junto com o FBI, estão focados em funcionários ucranianos suspeitos de tentar influenciar a eleição espalhando alegações infundadas de corrupção sobre Biden por meio de vários canais, incluindo Giuliani. Não está claro se os promotores do Brooklyn irão acusar algum dos ucranianos.

A certa altura da investigação, as autoridades examinaram uma viagem que Giuliani fez à Europa em dezembro de 2019, quando se reuniu com vários ucranianos, segundo essas pessoas, que conversaram com o The New York Times sob condição de anonimato.

Pelo menos um dos ucranianos com quem Giuliani se encontrou, um membro do parlamento ucraniano chamado Andriy Derkach, agora é o foco da investigação do Brooklyn, disseram as pessoas.

Trump x Biden

A viagem foi resultado de um esforço de um ano de Giuliani, com o apoio de Trump, para minar a campanha presidencial de Biden. O esforço prosseguiu principalmente em duas vias paralelas: coleta de informações da Ucrânia para atacar os esforços diplomáticos de Biden quando vice-presidente e pressão sobre a Ucrânia para  que o país anunciasse investigações sobre Biden e outros críticos de Trump. 

Em meio ao processo de impeachment, funcionários da inteligência dos EUA advertiram Trump que Derkach estava tentando usar Giuliani para espalhar desinformação. Giuliani, que disse não ter recebido um aviso semelhante na época, continuou a atestar a autenticidade das informações que recebeu, mesmo depois que o Departamento do Tesouro de Trump impôs sanções contra Derkach por interferência eleitoral e o acusou de ser "um agente russo ativo."

Em uma entrevista no ano passado, Giuliani disse que não havia nada que o dissuadisse de se encontrar com Derkach, que não estava sob sanções na época. “Não tenho motivos para acreditar que ele seja um agente russo”, disse Giuliani. Na quinta-feira, o advogado de Giuliani defendeu a busca por informações sobre Biden, argumentando que ele se baseou em informações enganosas. “Quando você investiga alegações de corrupção, você fala com todo tipo de pessoa; algumas são confiáveis ​​e outras não”, disse o advogado, Robert J. Costello. Ele acrescentou que "algum dia a verdade aparecerá" sobre os negócios de Biden na Ucrânia.

Juntas, as investigações de Manhattan e Brooklyn representam um desafio para o Departamento de Justiça de Biden, que prometeu permanecer acima da briga política mesmo tendo herdado uma série de investigações delicadas ligadas à Ucrânia e à Rússia. O filho do presidente, Hunter Biden, por exemplo, está enfrentando uma investigação tributária criminal federal que parece estar parcialmente relacionada ao trabalho que ele fez na Ucrânia, e um advogado especial do Departamento de Justiça está investigando as origens da investigação de Robert Mueller sobre a Rússia e a campanha de 2016 de Trump.

A investigação sobre Giuliani em Manhattan - que entrou em uma nova fase agressiva no mês passado quando agentes do FBI executaram mandados de busca em sua casa e escritório - se concentra em se ele pressionou o governo Trump para remover o embaixador dos EUA em Kiev em nome de autoridades ucranianas que a desejavam. É uma violação da lei federal fazer lobby junto ao governo dos EUA em nome de autoridades estrangeiras sem se registrar no Departamento de Justiça, e Giuliani nunca se registrou.

Giuliani nega elo com ucranianos

Giuliani, que não foi acusado de delito, negou que tenha trabalhado para algum ucraniano. Ele classificou suas interações com eles como parte de seu esforço para ajudar Trump, e denunciou as buscas do FBI como um “duplo padrão corrupto” do Departamento de Justiça, que ele disse ter ignorado “crimes flagrantes” de Biden e outros democratas. Não está claro por que os promotores de Manhattan também não estão lidando com a investigação dos ucranianos.

A investigação do Brooklyn não é um caso criminal típico. Investigações sobre operações de influência estrangeira são geralmente conduzidas por agentes de contra-espionagem do FBI, que são designados para rastrear espiões estrangeiros dentro dos Estados Unidos e impedir suas atividades de inteligência. Mas, neste caso, os agentes e promotores estão tentando determinar se as leis federais foram violadas.

Se os promotores do Brooklyn finalmente decidirem abrir as acusações, eles podem contar com a mesma lei de lobby usada na investigação de Giuliani, conhecida como Lei de Registro de Agentes Estrangeiros, que pode ter exigido que alguns ucranianos revelassem esforços nos Estados Unidos para influenciar o governo ou mídia. Também é um crime federal conspirar para fraudar os Estados Unidos, e os promotores usaram essa lei para acusar russos acusados ​​de se intrometerem nas eleições anteriores.

Pode ser difícil prender e extraditar ucranianos que enfrentam acusações nos Estados Unidos. Ainda assim, as acusações provavelmente os impediriam de viajar para muitas partes do mundo, onde poderiam ser detidos para uma possível extradição.

Sanções financeiras

O Departamento do Tesouro já impôs sanções econômicas por interferência nas eleições contra alguns ucranianos, essencialmente impedindo-os de fazer negócios nos Estados Unidos ou por meio de instituições financeiras americanas. Uma rodada inicial de sanções em setembro teve como alvo Derkach, que o Departamento do Tesouro disse ser "um agente russo ativo por mais de uma década". Ele foi educado na Escola Superior Dzerzhinsky da KGB em Moscou, de acordo com uma biografia ucraniana. Então, em janeiro, o departamento aplicou sanções contra sete ucranianos que, segundo ele, faziam parte do círculo íntimo de Derkach, incluindo Andrii Telizhenko, um ex-funcionário do governo ucraniano que trabalhou em estreita colaboração com Giuliani e os republicanos do Senado para fornecer informações prejudiciais sobre Biden e outros críticos de Trump.

Um representante de Derkach não respondeu aos pedidos de comentários, mas, no passado, ele chamou as sanções do Departamento do Tesouro, emitidas sob Trump, de vingança pelos "associados profundos do Estado" de Biden.

Entre o final de 2019 e meados de 2020, Derkach direcionou seus esforços a vários americanos, não apenas a Giuliani. Ele "aproveitou a mídia dos EUA, as plataformas de mídia social baseadas nos EUA e pessoas influentes dos EUA para espalhar alegações enganosas e infundadas", disse o Departamento do Tesouro. Giuliani começou a coletar informações de autoridades ucranianas no final de 2018 para ajudar Trump a minar a investigação de Mueller e impugnar Biden pelo trabalho de seu filho para uma empresa de energia de propriedade de um oligarca ucraniano amplamente considerado corrupto.

Após a prisão por acusações de financiamento de campanha não relacionadas de dois empresários nascidos na União Soviética que ajudaram Giuliani a se conectar com autoridades ucranianas, Giuliani cada vez mais pediu ajuda a Telizhenko e Andrii Artemenko, um ex-membro do parlamento ucraniano que agora vive na área de Washington e trabalha como lobista, de acordo com pessoas próximas ao assunto.

Investigadores federais entrevistaram Artemenko como parte da investigação do Brooklyn sobre as autoridades ucranianas, disseram fontes que pediram anonimato. Ele não foi sancionado e não parece ser alvo da investigação, acrescentaram. Um advogado de Artemenko, Anthony Capozzolo, não quis comentar. Artemenko disse ao Politico no mês passado que falou com o FBI sobre Giuliani, sem dar mais detalhes. Telizhenko e Artemenko juntaram-se a Giuliani em Washington no final de novembro de 2019 nos estúdios da rede a cabo conservadora One America News para gravar uma série que a rede alegou ter exposto a corrupção da família Biden e atacou "a farsa do impeachment", bem como a investigação de Mueller.

Antes da viagem de dezembro de 2019, Artemenko assinou um acordo com Giuliani para ajudar a localizar testemunhas que defenderiam Trump, segundo três pessoas com conhecimento do contrato, que Giuliani também assinou. Artemenko não foi pago pelo trabalho. A empresa de Artemenko mais tarde assinou um contrato de lobby para representar brevemente Derkach em Washington.

Em dezembro de 2019, Giuliani e uma equipe da rede viajaram para Budapeste e Kiev para filmar entrevistas com ex-funcionários ucranianos que alegaram ter informações incriminatórias sobre Bidens e outros democratas. Os entrevistados incluíram Derkach e dois outros homens - outro membro do parlamento e um promotor ucraniano recentemente demitido - que também acabaram enfrentando sanções em janeiro pelo Departamento do Tesouro.

O departamento descreveu os dois homens, junto com Telizhenko, como membros do círculo íntimo de Derkach e os acusou de apresentar "narrativas de desinformação" para influenciar a eleição presidencial de 2020. Não está claro se Telizhenko é o foco do inquérito criminal do Brooklyn.

Em uma entrevista na quinta-feira, Telizhenko rejeitou as acusações do Departamento do Tesouro, dizendo que ele nunca havia se encontrado com Derkach antes de Artemenko organizar a reunião por causa de suas objeções. “Eu disse:‘ Esta não é uma boa reunião ’”, disse Telizhenko a Giuliani, acrescentando que Derkach “já era tóxico na Ucrânia”, porque “todo mundo sabia que ele era pró-russo”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.