Justiça egípcia dissolve partido da Irmandade Muçulmana

A Justiça administrativa do Egito dissolveu neste sábado o braço político da Irmandade Muçulmana, declarada organização terrorista em 2013, e ordenou que seus ativos sejam liquidados, segundo informações da agência estatal de notícias do país.

AE, Estadão Conteúdo

09 de agosto de 2014 | 09h40

A decisão contra o Partido da Liberdade e Justiça ocorreu após seus líderes já terem sido acusados e, em alguns casos, condenados, por matar e incitar a violência. A decisão da Justiça é final.

O governo egípcio declarou a Irmandade um grupo terrorista no fim do ano passado, acusando-a de orquestrar uma onda de violência para desestabilizar o país depois de o Exército ter derrubado o ex-presidente Mohammed Morsi - membro da Irmandade - em meio a protestos em massa contra ele.

O grupo nega as acusações e tem mantido seus protestos contra o novo governo. Morsi está na cadeia e enfrenta uma série de acusações, incluindo conspiração com grupos estrangeiros para desestabilizar o Egito. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoJustiçaIrmandade Muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.