Justiça eleitoral defende resultado das eleições regionais na Bolívia

Justiça eleitoral defende resultado das eleições regionais na Bolívia

Evo Morales denunciou possíveis fraudes nas três regiões onde os opositores venceram

Agência Estado

12 de abril de 2010 | 14h49

LA PAZ - O presidente da Corte Nacional Eleitoral da Bolívia pediu nesta segunda-feira, 12, que os candidatos, tanto da situação quanto os oposicionistas, aceitem os resultados das urnas. Na semana passada, até o presidente Evo Morales levantou dúvidas sobre possíveis fraudes nas eleições regionais realizadas no dia 4.

"O órgão eleitoral esteve nos lugares onde houve denúncias de fraude e temos visto que houve, sim, alguns erros, sem que tenha ficado mal o processo eleitoral", afirmou o presidente da Corte Nacional Eleitoral, Antonio Costas, falando à emissora ATB. "Nós pedimos a todos os candidatos derrotados e vitoriosos que aceitem os resultados."

Morales denunciou fraudes nas cortes departamentais de Beni (nordeste), Pando (norte) e Santa Cruz (leste) - as três regiões conservadoras. Segundo ele, se as eleições em Beni e Tarija fossem "transparentes", os políticos da situação, inclusive ele, teriam ganhado.

Em Beni, o opositor Ernesto Suárez ganhou com 42% dos votos. Já a ex-modelo Jessica Jordan ficou com 40%. Jessica denunciou que seu voto desapareceu da urna onde deveria estar. Também em Tarija, houve denúncias de suposta fraude contra o candidato da situação, que ficou em segundo, perdendo por pouco para o opositor Mario Cossio.

O órgão eleitoral determinou que o Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Morales, perdeu nos departamentos (Estados) de Santa Cruz, Beni e Tarija, dominados pela oposição conservadora. Já o MAS venceu em La Paz, Oruro, Cochabamba, Potosí e Chuquisaca. Ainda assim, O partido teve resultado pior que o esperado na disputa regional. "Não tenho vontade de trabalhar com prefeitos ou governadores corruptos e menos ainda com gente comprometida com separatismo", afirmou Morales. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.