Justin Sullivan/AFP
Justin Sullivan/AFP

Justiça encerra investigação sobre e-mails de Hillary

Secretária de Justiça acata recomendação do FBI e engaveta caso sem acusações contra a ex-secretária de Estado

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2016 | 23h41

WASHINGTON - A investigação do Departamento de Justiça sobre os e-mails de Hillary Clinton foi formalmente encerrada sem acusações criminais, disse nesta quarta-feira a Secretária de Justiça dos EUA, Loretta Lynch. A decisão já era esperada, pois na véspera o diretor do FBI, James Comey, havia recomendado não apresentar nenhuma acusação contra a candidata democrata. Mesmo antes da declaração pública de Comey, Lynch disse que pretendia aceitar as recomendações do diretor do FBI e de seus promotores.

Lynch disse que se encontrou com Comey e promotores nesta quarta-feira e concordou que a investigação, que avaliou a possível má condução de informação confidencial, deveria ser concluída. “Recebi e aceitei a recomendação unânime deles de que a investigação, profunda e com um ano de duração, deveria ser encerrada e nenhuma acusação deveria ser apresentada contra qualquer um dos indivíduos que estavam sob escopo da investigação”, disse Lynch em um comunicado.

Comey disse na terça-feira que “nenhum promotor razoável” buscaria um caso criminal e aconselharia o Departamento de Justiça a não apresentar acusações.No entanto, ele também criticou Hillary, que confiou em um servidor privado de e-mails quando foi secretária de Estado, e seus assessores, por serem “extremamente descuidados” ao lidar com informações confidenciais.

Agentes do FBI passaram o último ano investigando o assunto após uma solicitação do inspetor-geral de inteligência. Como parte da investigação, os agentes analisaram dezenas de milhares de e-mails do Departamento de Estado, entrevistaram os principais assessores de Hillary e, por fim, a ex-secretária de Estado no final de semana.

Na sexta-feira, Lynch disse que estava preparada para endossar quaisquer descobertas e recomendações que lhe fossem apresentadas. Embora tivesse dito que já havia tomado sua decisão sobre o processo, o anúncio foi feito poucos dias após ela ter um encontro não agendado com Bill Clinton a bordo de seu avião em Fênix. 

Lynch disse que a investigação não foi mencionada na ocasião, mas admitiu que o encontro havia “lançado uma sombra” sobre o processo e causado questionamentos sobre a independência da investigação./ AP

 

Mais conteúdo sobre:
Hillary Clinton FBI Bill Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.