Justiça expede nova órdem de prisão domiciliar a Pinochet

O ex-ditador chileno general Augusto Pinochet foi indiciado nesta segunda-feira e ordenado a permanecer sob prisão domiciliar pela morte de dois guarda-costas de Salvador Allende, presidente marxista democraticamente eleito que sofreu um golpe de Estado em 1973. O indiciamento veio após Pinochet, em seu 91º aniversário, neste sábado, ter emitido um depoimento pela primeira vez assumindo total responsabilidades pelos atos de seu regime. Esta é a quinta vez que Pinochet fica sob prisão domiciliar, e a primeira em que é acusado pelo crime de assassinato. Nas outras ocasiões, sua prisão foi decretada por acusações de abusos aos direitos humanos praticados durante a ditadura (1973-90). Sua imunidade foi retirada em julho pela promotoria chilena. Acusações O indiciamento envolve acusações de seqüestro e homicídio de dois guarda-costas de Allende - Wagner Salinas e Francisco Lara - que foram presos no dia do golpe, 11 de setembro de 1973. Os dois foram executados por grupos de extermínio quatro semanas depois, segundo informou o regime na época. Salinas era ex-campeão de boxe da América do Sul na categoria pesos pesados. Mais de 15 seguranças e auxiliares de Allende foram arrancados do palácio do governo durante o golpe. Allende cometeu suicídio durante um bombardeio militar ao palácio. Durante seu governo, 3.197 pessoas foram mortas por motivos políticos, segundo relatório de uma comissão independente. Sem resposta Não houve reação imediata dos advogados do ex-ditador, mas é esperado que recorram perante a Suprema Corte como fizeram todas as outras vezes em que o Pinochet foi indiciado. Os casos anteriores foram encerrados depois que os tribunais decidiram que a saúde do ex-ditador impedia que ele ficasse na corte. Mas, em acréscimo à emissão judicial desta segunda-feira, três outros processos estão em andamento: dois sobre violações de direitos humanos e um de evasão de divisas. Pinochet já sofreu derrames e sofre de diabetes e artrite, além de utilizar um marca-passo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.