Justiça húngara condena quatro neonazistas por morte de ciganos

Ataques contra minoria étnica ocorreram entre 2008 e 2009 e provocaram comoção no país

O Estado de S. Paulo,

06 de agosto de 2013 | 10h49

BUDAPESTE - Um tribunal húngaro condenou quatro neonazistas a prisão, nesta terça-feira,6, pelo assassinato de famílias ciganas em uma onda de violência racista entre 2008 e 2009. Na ocasião, a polícia foi acusada de ter falhado na proteção de uma minoria historicamente perseguida.

A quadrilha matou seis ciganos e feriu várias outras pessoas em ataques cuidadosamente planejados em todo o país ao longo de mais de 13 meses, criando um clima de medo para os membros da maior minoria étnica da Hungria. Os ciganos, que representam cerca de 7% da população de 10 milhões, enfrentam discriminação generalizada e muitas vezes vivem em extrema pobreza.

Três homens foram condenados à prisão perpétua sem liberdade condicional e um quarto pegou 13 anos de prisão, também sem liberdade condicional. Os condenados podem recorrer.

O juiz Laszlo Miszori disse que os agressores viam a si mesmos como vigilantes impondo "uma solução do tipo étnico", em vingança por crimes cometidos por ciganos.

"Para levar a cabo os seus planos, primeiro eles compraram armas e então começaram a 'reinstalar a ordem', ou seja, fazendo ataques armados a locais onde ciganos cometeram crimes contra os húngaros", disse o juiz.

Em um dos ataques, vários homens atearam fogo a uma casa à beira da aldeia de Tatarszentgyorgy, perto de uma floresta a 30 minutos de Budapeste, no final da noite de 22 de fevereiro de 2009.

Quando os habitantes fugiram do prédio em chamas, os criminosos mataram Robert Csorba, um homem cigano de 29 anos, e seu filho de 4 anos de idade, Robert Jr. Uma menina também ficou gravemente ferida. Os atiradores fugiram. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.