Justiça impede González Macchi de deixar o Paraguai

A Justiça paraguaia proibiu hoje o ex-presidente Luis González Macchi e sua esposaSusana Galli de abandonar o país até que seja esclarecido seele cometeu ou não o delito de enriquecimento ilícito, depois que foi decoberta uma conta secreta na Suíça em nome de ambos. O juiz Hugo Sosa informou ter acolhido a denúncia dapromotoria sobre possível corrupção com dinheiro público, emrazão do que ordenou a González Macchi e sua cônjuge que façamum depósito judicial de 500 milhões de guaranis (o equivalente aUS$ 80 mil) até que o caso seja julgado. Além disso, o casal terá de se apresentar mensalmente auma delegacia regional da polícia para assinar o livro queconfirma sua presença no Paraguai. A promotoria indicou que os González Macchi abriram umaconta secreta no banco BBVA Privanza, de Zurique, em 1º de julhode 1999, com a quantia de US$ 81.212. Em 29 de março do mesmo ano, o ex-mandantário haviaassumido a presidência após a renúncia de Raúl Cubas, membro,como ele, do governista Partido Colorado. Em meados de 2000, havia na conta mais de US$ 1 milhão -dinheiro transferido por um de seus amigos, Reinaldo DomínguezDibb, empresário dos jogos de azar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.