Justiça indiciará ex-assessor de Cameron

Andy Coulson, ex-chefe de imprensa do primeiro-ministro britânico, David Cameron, e Rebekah Brooks, ex-editora-chefe de um jornal da rede do magnata Rupert Murdoch, serão indiciados por conspiração para a interceptação de comunicações. A decisão da Justiça britânica, divulgada ontem, é o mais importante desdobramento do escândalo que abalou o governo de Londres.

LONDRES, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h01

Os crimes ocorreram entre 2000 e 2006, período em que Coulson e Rebekah comandavam o News of the World, tabloide dominical que Murdoch foi forçado a fechar, em julho do ano passado, em meio ao escândalo causado pelas escutas.

Rebekah e Coulson devem ser acusados especificamente de envolvimento na espionagem da caixa postal telefônica de Milly Dowler, uma menina de 13 anos sequestrada e morta em 2002. Em julho do ano passado, o caso ganhou nova força após a denúncia de que o detetive contratado pelo tabloide teria invadido o celular de Milly. Enquanto a polícia procurava pela garota, ele ouviu suas mensagens e apagou algumas para deixar espaço para novas, o que fez a polícia acreditar que ela estivesse viva.

Para tentar conter o escândalo, Murdoch pediu desculpas, aceitou depor no Parlamento e fechou o News of the World. "Não sou culpada por essas acusações", disse Rebekah em nota divulgada ontem. "Não autorizei nem estava ciente de qualquer grampo telefônico durante minha época como editora."

A pena máxima para as acusações é de 2 anos de prisão. A notícia é constrangedora para Cameron, pois Coulson também foi acusado de grampear os telefones de David Blunkett e Charles Clarke, ex-ministros do Interior em governos do Partido Trabalhista, hoje na oposição. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.