Justiça internacional pede libertação de filho de Kadafi

O procurador da Corte Penal Internacional (CPI) Fatou Bensouda determinou nesta terça-feira que a Líbia entregue imediatamente o filho do ex-ditador Muamar Kadafi para que aS investigações de casos de crimes contra a humanidade possam continuar.

Estadão Conteúdo

11 de novembro de 2014 | 17h25

Bensouda afirmou ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que a busca pela prestação de contas nos anos desde a rebelião que derrubou o regime de Kadafi em 2011 tem sido cada vez mais difícil. O país norte-africano está dividido em dois governos, um eleito e outro apoiado por islamitas, e a segurança foi gravemente afetada pela atuação violenta de milícias. A situação instável levou o tribunal da Líbia a adiar audiências.

O tribunal internacional acusou Seif Al Islam Kadafi, filho do ditador, em junho de 2011, de assassinato e perseguição ligada à violenta repressão da rebelião no país. A Líbia iniciou o próprio julgamento e ele está detido por uma milícia na cidade de Zintan, que se recusa a entregá-lo.

Grupos de direitos humanos exigiram que a Líbia entregue Kadafi à Corte Penal Internacional devido a crescentes preocupações sobre o potencial de futuros abusos no país dominado pela violência.

"Os membros do Conselho de Segurança devem deixar claro que o estado de impunidade na Líbia precisa acabar", afirmou Richard Dicker, diretor de direito internacional da Human Rights Watch. "Fazer vista grossa à justiça tem sido um dos principais fatores para a atual instabilidade do país", acrescentou. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.