Justiça italiana condena Berlusconi a pagar R$ 1,2 bi

O Tribunal de Apelações de Milão condenou ontem o grupo Fininvest, do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, a pagar 560 milhões de euros (cerca de R$ 1,2 bilhão) à empresa de seu histórico rival Carlo de Benedetti. A Justiça considerou que a aquisição de um grupo editorial em 1991 por Berlusconi ocorreu graças ao suborno de um juiz.

, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2011 | 00h00

A empresa de Berlusconi havia sido condenado em primeira instância em outubro de 2009 a pagar 750 milhões - valor agora reduzido em 190 milhões - depois de uma batalha legal por ter incorporado, nos anos 90, a editora Mondadori.

Em 2007, Berlusconi foi absolvido no processo penal que o acusava de corrupção no caso, mas agora terá de compensar o rival financeiramente. O CIR, grupo ao qual Berlusconi terá de pagar a quantia, edita o jornal La Repubblica, um dos maiores críticos do premiê. A decisão do tribunal deve ser executada imediatamente.

Em abril, Berlusconi conseguiu que os deputados italianos aprovassem um projeto de lei que reduz o tempo de prescrição dos processos judiciais. A lei favorece Berlusconi porque invalida um processo no qual ele é acusado de corrupção - além de levar ao arquivamento de outras 15 mil ações judiciais em andamento na Itália. O premiê é acusado também de abuso de poder e de pagar para manter relações sexuais com a marroquina conhecida como Ruby quando ela ainda era menor de idade. Ele nega as acusações.

A revista Forbes estima a fortuna de Berlusconi em quase R$ 14 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.