Remo Casilli/Reuters
Remo Casilli/Reuters

Justiça italiana investiga Banco do Vaticano por lavagem de dinheiro

Promotoria de Roma bloqueia 23 milhões de euros da instituição; Santa Sé se diz perplexa

estadão.com.br,

21 de setembro de 2010 | 11h06

ROMA - O presidente do Banco do Vaticano, Ettore Gotti Tedeschi, está sendo investigado por lavagem de dinheiro. De acordo com a justiça italiana, cerca de 23 milhões de euros da instituição foram congelados.

A promotoria de Roma investiga a transferência de 20 milhões de euros do Banco do Vaticano para o JP Morgan em Frankfurt e de outras três entidades. Segundo as investigações, as informações exigidas pela lei não foram divulgadas pelo banco.

O Vaticano se disse perplexo e surpreso com a investigação e manifestou apoio a Tedeschi. Em comunicado, A Santa Sé afirmou que tem trabalhado para fazer suas finanças mais transparentes e adequadas à legislação contra lavagem de dinheiro e o terrorismo.

O banco, conhecido oficialmente como Instituto de Trabalhos Religiosos, foi fundado em 1942 pelo papa Pio XII e esteve envolvido pela ultima vez em um escândalo em 1982, quando o Banco Ambrosiano, o maior banco privado da Itália teve uma falência fraudulenta.

Com AP, Reuters e Efe

Tudo o que sabemos sobre:
Vaticanolavagem de dinheiroItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.