AP
AP

Justiça italiana mantém parte da condenação de Berlusconi por fraude

Tribunal nega recurso contra sentença penal, mas ex-premiê pode recorrer contra perda de direitos políticos

Jamil Chade - CORRESPONDENTE / GENEBRA,

01 de agosto de 2013 | 15h07

O Tribunal Supremo da Itália confirmou nesta quinta-feira, 1, a condenação do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi a quatro anos de prisão por fraude fiscal no caso Mediaset. A Corte, no entanto, considerou que a cassação por cinco anos de seus direitos políticos deve ser julgada por um tribunal de apelações em Milão, o que mantém aberta a possibilidade de ele seguir na vida política italiana.

Cinco juízes da suprema corte italiana examinaram o veredicto. Eles esperaram o fechamento dos pregões na Europa para anunciar a sentença.

Berlusconi, um bilionário magnata da mídia de 76 anos que foi por quatro vezes primeiro-ministro, diz ser implacavelmente perseguido por juízes esquerdistas que tentam subverter a democracia desde que ele entrou para a política em 1994.

O caso Mediaset foi sua primeira condenação definitiva em pelo menos duas dezenas de julgamentos por acusações que vão de fraude fiscal a sexo com uma prostituta menor de idade.Políticos da Itália estão em xeque diante de um veredicto que pode causar uma crise na instável coalizão do governo de Enrico Letta.

A denúncia. O ex-premiê e outros executivos são acusados de usar empresas estrangeiras sob seu controle para comprar direitos autorais de filmes americanos a preços inflacionados. De acordo com os promotores, parte da quantia declarada foi absorvida pelo grupo acusado, o que reduziu as obrigações fiscais do grupo Mediaset.

O grupo Mediaset é a maior empresa privada de telecomunicações da Itália e é de propriedade de Berlusconi. O caso havia sido suspenso em 2010 devido a uma lei de imunidade penal, mas foi retomado em 2011 após a revogação da medida. / COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.