Justiça libertará 270 grevistas presos após tragédia na mina de Marikana

Procuradores sul-africanos desistiram de processar por homicídio os 270 trabalhadores grevistas presos após a tragédia na mina de Marikana, que deixou 34 motos no mês passado em meio a confrontos com forças policiais.

O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2012 | 03h06

Os primeiros 50 mineiros já foram liberados ontem e os demais serão soltos aos poucos, sem ter de pagar fiança. Eles eram acusados de tentativa de homicídio e por isso eram mantidos presos. Como a acusação foi retirada, eles serão liberados, mas terão de se apresentar à Justiça em fevereiro para responder por violência pública e conduzir uma manifestação não autorizada. A tragédia de Marikana foi a pior na África do Sul desde o fim do apartheid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.