Justiça peruana dá ordem de prisão internacional de Fujimori

Um juiz peruano ordenou hoje a detenção internacional do ex-presidente do Peru, Alberto Fujimori, atualmente refugiado no Japão, por sua suposta responsabilidade e participação intelectual em dois graves massacres ocorridos durante seu primeiro governo. O juiz supremo José Lecaros ditou a ordem de captura internacional com base nos dados do processo que investiga Fujimori por suposto homicídio qualificado, desaparecimento forçado de pessoas e lesões graves pelos massacres de Barrios Altos e La Cantuta, disse a porta-voz do Poder Judiciário, Gabriela Uribe. Anteriormente, a Procuradora da Nação, Nelly Calderón, havia denunciado Fujimori perante o Poder Judiciário após o Congresso decidir acusá-lo por esses delitos - pelos quais, se for considerado culpado no Peru, poderia ser condenado a 25 anos de prisão. Fujimori, que abandonou o país em novembro do ano passado e anunciou sua renúncia à presidência em Tóquio, em meio a um escândalo de corrupção que comprometeu seu governo, desfruta atualmente de seus direitos como cidadão japonês - cidadania que o governo nipônico lhe concedeu, e que impede sua extradição para o Peru. Por várias vezes, o Japão respondeu ao Peru que suas leis o impedem de extraditar cidadãos japoneses. As autoridades peruanas abriram o processo sobre o caso de Barrios Altos e La Cantuta por acreditarem que a gravidade dos mesmos possa obrigar o Japão a extraditar o ex-presidente. O crime de Barrios Altos ocorreu em 1991, quando o comando paramilitar Colinaentrou em uma festa popular para arrecadas fundos e baleou 15 pessoas, qualificando-as como terroristas. Um ano depois, o mesmo comando seqüestrou e assassinou nove estudante e um professor da Universidade de La Cantuta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.