Claudio Santana/AP
Claudio Santana/AP

Justiça peruana nega pedido de habeas corpus para ex-presidente Fujimori

Vara Criminal de Lima rejeitou em segunda instância pedido para anular a sentença de 25 anos de prisão contra o ex-presidente, condenado por crimes de homicídio, lesões e sequestro de um jornalista e um empresário; defesa deve recorrer ao Tribunal Constitucional

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2017 | 09h54

LIMA - A Segunda Vara Criminal de Lima rejeitou, na terça-feira, em segunda instância, o habeas corpus apresentado para anular a sentença de 25 anos de prisão contra o ex-presidente Alberto Fujimori, que pedia sua libertação.

Com isso, a Segunda Vara manteve a decisão do Tribunal Penal que declarou improcedente o recurso apresentado por Keiko Fujimori, filha do ex-presidente e líder do partido opositor Força Popular.

Em maio, o juiz Arnaldo Sánchez concluiu que não foi ferido nenhum direito do ex-presidente peruano no julgamento pelo que foi condenado a 25 anos de prisão pelos massacres cometidos pelo grupo militar encoberto Colina, nos anos de 1991 e 1992.

A defesa do ex-governante recorreu da decisão judicial, mas também teve o pedido rejeitado. Agora a advogada de Fujimori, Liz Ramos, está pronta para recorrer no Tribunal Constitucional, pois afirma que o ex-presidente não cometeu os crimes pelos quais foi condenado.

Fujimori, de 78 anos, foi condenado como mentor dos crimes de homicídio, lesões e sequestro de um jornalista e um empresário, após o autogolpe que deu em 1992.

Desde que ele foi condenado por crimes contra a humanidade, a legislação peruana impede que possa ser beneficiário de um indulto, mas o atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, anunciou que vai avaliar dar um "perdão médico", como chamou o indulto humanitário, se for recomendado por uma junta médica. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.