Justiça rejeita parte de lei do Arizona para imigrantes

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou nesta segunda-feira cláusulas importantes da legislação do Estado do Arizona para o combate à imigração ilegal, numa decisão sobre uma questão nacional que opõe o presidente Barack Obama ao virtual candidato republicano à presidência, Mitt Romney.

AE, Agência Estado

25 de junho de 2012 | 15h27

Embora tenha considerado boa parte da lei inconstitucional, a corte manteve a atribuição da polícia de verificar a situação de supostos imigrantes ilegais nos EUA. Mesmo este ponto, no entanto, pode vir a ser questionado no futuro, segundo juízes. A cláusula do "show meu your papers" (mostre-me seus papéis) foi mantida, mas a polícia foi proibida de efetuar prisões de imigrantes por acusações brandas.

A corte anunciou que quinta-feira será o ultimo dia de decisões judiciais desta temporada, o que significa que o veredicto sobre a reforma do setor de saúde de Obama provavelmente sairá no mesmo dia.

Em comunicado, Obama se declarou "satisfeito" com a decisão de hoje, mas acrescentou que ela deixa "inegavelmente claro que o Congresso precisa se mexer e fazer uma ampla reforma (da lei) da imigração".

Obama se disse também preocupado com o fato de que a lei poderá deixar os latinos sujeitos a serem parados por policiais apenas por causa de sua aparência. O presidente voltou a pedir também que democratas e republicanos trabalhem juntos para solucionar os problemas da questão imigratória. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUASUPREMA CORTEIMIGRAÇÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.