Justiça ucraniana condena lei eleitoral a um dia do pleito

A Corte Constitucional da Ucrânia decidiu que partes de uma recente reforma da lei eleitoral violam a Constituição do país, na véspera do novo segundo turno da eleição presidencial. De acordo com o tribunal, os artigos que restringem o direito ao voto das pessoas que não podem sair de casa são inválidos. A decisão não adiará o pleito, previsto para domingo, mas representa um problema a mais para a Comissão Eleitoral Central."Cumpriremos a decisão da Corte Constitucional", disse o chefe da comissão, Yaroslav Davydovych. "Não temos escolha. A eleição precisa ocorrer". Seguidores do líder da oposição, Viktor Yushchenko, haviam pedido a proibição do voto em casa, declarando-a necessária para evitar fraudes como as que levaram à anulação do segundo turno realizado em 21 de novembro.Hoje, a Corte Constitucional decidiu que as pessoas incapazes de chegar a uma seção eleitoral por deficiência física ou problemas de saúde devem ter permissão para votar em casa. A sentença poderá favorecer o candidato da situação, Viktor Yanukovych. A decisão judicial não afeta as novas restrições contra o voto de ausentes, mecanismo que, segundo a oposição e observadores internacionais, permitiu a fraude generalizada em novembro. O clima na Ucrânia segue tenso a um dia da eleição. Há temores de violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.