Justiça venezuelana ordena a prisão de ex-presidente

A Procuradoria-Geral da Venezuela acusou o ex-presidente Carlos Andrés Pérez e sua esposa, Cecilia Matos, por suposto delito de enriquecimento ilícito, ordenando a detenção preventiva de ambos.Com esta medida judicial, reabre-se o processo contra Pérez e Matos, iniciado em 1993, por acusação de enriquecimento ilícito em um caso de contas conjuntas. O promotor Pedro Sanoja expressou, em entrevista ao jornal El Universal, que a reabertura do processo judicial "não é um ato de retaliação política" contra Pérez, que foi acusado pelo presidente Hugo Chávez de conspirar contra seu governo. Pérez - que governou a Venezuela de 1974 a 1979 e de 1989 a 1993 - era presidente quando Chávez liderou abortadas tentativas de golpe militar contra seu governo, em 1992. O ex-presidente se tornou um dos mais duros opositores do atual mandatário venezuelano. Sanoja disse que, aparentemente, os acusados se encontram fora do país e afirmou que o juiz encarregado do caso "terá que tramitar um processo de extradição perante o Tribunal Supremo de Justiça". Tanto Pérez como sua esposa residem há mais de um ano nos EUA e República Dominicana.O advogado do ex-presidente, Alberto Arteaga, disse que o tratado com os EUA não prevê a extradição pelo delito de enriquecimento ilícito, ao passo que com a República Dominicana não existe nenhum convênio do gênero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.