Heo Ran/ Reuters
Heo Ran/ Reuters

K-Pop é novo alvo da guerra cultural do líder norte-coreano Kim Jong-un

O ditador chamou o estilo musical sul-coreano de ‘câncer vicioso’; Músicas, filmes e novelas do país vizinho estão conquistando os corações dos jovens norte-coreanos, uma influência ameaçadora para Kim

Choe Sang-Hun/ The New York Times, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2021 | 10h00

SEUL - Kim Jong-un chamou o K-Pop, o estilo musical sul-coreano, de "câncer vicioso", corrompendo "trajes, penteados, discursos e comportamentos" dos jovens norte-coreanos. 

Sua mídia estatal advertiu que, se não fosse controlada, o K-Pop faria a Coreia do Norte "desmoronar como uma parede úmida".

Depois de ganhar fãs em todo o mundo, o K-Pop, a cultura pop sul-coreana, entrou na fronteira final: a Coreia do Norte, onde sua crescente influência levou o líder do estado totalitário a declarar uma nova guerra cultural para detê-la. Mas mesmo um ditador pode ter problemas para conter a maré.

Nos últimos meses, nenhum dia se passou sem que Kim ou a mídia estatal protestassem contra as influências “anti-socialistas e não-sociais” que se propagavam em seu país, especialmente filmes sul-coreanos, K-dramas e vídeos de K-pop. 

Como parte de uma tentativa desesperada de reafirmar o controle, Kim ordenou que seu governo “acabasse com a invasão cultural”.

Contrabando de K-pop

A censura não é apenas mais uma birra irritada do ditador. Chega em um momento em que a economia da Coreia do Norte está em dificuldades e sua diplomacia com o Ocidente estagnou, deixando a juventude do país mais receptiva à influência externa e desafiando o controle firme de Kim sobre a sociedade norte-coreana.

“Os jovens norte-coreanos acham que não devem nada a Kim Jong-un”, disse Jung Gwang-il, um desertor do Norte que dirige uma rede que contrabandeia K-pop para a Coreia do Norte. “Ele deve reafirmar seu controle ideológico sobre os jovens se não quiser perder a base para o futuro do governo dinástico de sua família.”

A família de Kim governou o Norte por três gerações, e a lealdade da geração do milênio no país muitas vezes foi testada. Eles atingiram a maioridade durante uma grave crise de fome no final da década de 1990, quando o governo não conseguia fornecer comida, causando a morte de milhões. As famílias sobreviveram comprando alimentos em mercados não oficiais estocados com mercadorias contrabandeadas da China, incluindo entretenimento ilegal do sul.

A propaganda estatal norte-coreana há muito descreve a Coreia do Sul como um “inferno cheio de mendigos”. Por meio dos dramas K, primeiro contrabandeados em fitas VHS e CDs, os jovens norte-coreanos aprenderam que, enquanto lutavam para encontrar comida suficiente para não morrer de fome, as pessoas no Sul faziam dietas para perder peso.

O entretenimento sul-coreano agora é contrabandeado em pen drives da China, fisgando os corações de jovens norte-coreanos que os assistem a portas fechadas e janelas com cortinas.

Lei contra o consumo de K-Pop

Sua presença tornou-se tão preocupante que a Coreia do Norte promulgou uma nova lei em dezembro passado. Ela impõe até 15 anos em campos de trabalho forçados para pessoas que assistem ou possuem entretenimento sul-coreano, segundo legisladores em Seul que foram informados por oficiais de inteligência do governo, e documentos internos norte-coreanos contrabandeados pelo Daily NK, um site com sede em Seul. A punição máxima anterior para esses crimes era de cinco anos de trabalhos forçados.

Aqueles que colocam o material nas mãos dos norte-coreanos podem enfrentar punições ainda mais severas, incluindo a pena de morte. A nova lei também exige até dois anos de trabalho duro para aqueles que “falam, escrevem ou cantam no estilo sul-coreano”.

A introdução da lei foi seguida por meses de novos discursos de Kim alertando sobre a influência externa negativa do K-Pop. 

Em fevereiro, ele ordenou que todas as províncias, cidades e condados eliminassem “impiedosamente” as tendências capitalistas crescentes. Em abril, ele alertou que “uma séria mudança” estava ocorrendo no “estado ideológico e mental” dos jovens norte-coreanos. E no mês passado, o jornal estatal Rodong Sinmun advertiu que a Coreia do Norte “desmoronaria” se tais influências proliferassem.

“Para Kim Jong-un, a invasão cultural da Coreia do Sul foi além de um nível tolerável”, disse Jiro Ishimaru, editor-chefe do Asia Press International, um site no Japão que monitora a Coreia do Norte. “Se isso não for verificado, ele teme que seu povo comece a considerar o Sul uma alternativa à Coreia para substituir o Norte.”

Computadores, mensagens de texto, tocadores de música e notebooks estão agora sendo pesquisados em busca de conteúdo e sotaques sul-coreanos, de acordo com documentos do governo norte-coreano contrabandeados pela Asia Press. 

As mulheres na Coreia do Norte, por exemplo, devem chamar seus acompanhantes de "camaradas". Em vez disso, muitos começaram a chamá-los de “oppa”, ou querido, como as mulheres fazem nos dramas K-Pop. Kim chamou a linguagem de "pervertida".

As famílias daqueles que são pegos “imitando o sotaque das marionetes” do Sul em suas conversas diárias ou mensagens de texto podem ser expulsos das cidades como um aviso, afirmam os documentos.

Esta não é a primeira vez que a Coreia do Norte ataca uma "invasão ideológica e cultural". Todos os rádios e televisores são configurados de fábrica para receber apenas transmissões governamentais. O governo bloqueou o povo de usar a Internet. 

Esquadrões disciplinares patrulham as ruas, parando homens com cabelos longos e mulheres com saias consideradas muito curtas ou calças muito justas. A única tinta para cabelo disponível é preta, de acordo com a Embaixada Russa em Pyongyang.

Mas pode ser tarde demais para consertar as rachaduras deixadas para trás durante a década de 1990. Jung, de 58 anos, lembra-se de assistir “Ciúme”, um drama K-Pop sobre o amor jovem, quando ainda estava na Coreia do Norte e sentia um choque cultural. “Na TV norte-coreana, era tudo sobre o partido e o líder”, disse ele. "Você nunca viu uma demonstração tão natural de emoções humanas como duas pessoas se beijando."

Em uma pesquisa que o Instituto para Estudos de Paz e Unificação da Universidade Nacional de Seul conduziu com 116 pessoas que fugiram da Coreia do Norte em 2018 ou 2019, quase metade disse que assistia "frequentemente" a entretenimento sul-coreano enquanto estava no Norte. 

Um favorito atual, disse Jung, era "Crash Landing on You", um programa sobre uma herdeira sul-coreana em um parapente que é carregada pela fronteira por uma rajada de vento repentina e se apaixona por um oficial do exército norte-coreano.

Kim já havia parecido mais flexível em relação à cultura externa. Em 2012, ele foi mostrado na televisão estatal dando sinal de positivo para um grupo de garotas de minissaias tocando a música tema de “Rocky” enquanto os personagens de Mickey e Minnie Mouse desfilavam nas proximidades. 

Quiosques autorizados pelo governo em Pyongyang vendiam sucessos da Disney como “O Rei Leão” e “Cinderela”. Os restaurantes exibiam filmes, shows e programas de TV estrangeiros, informou a embaixada russa em 2017.

Mas a confiança de Kim enfraqueceu depois que sua diplomacia com Donald Trump, o ex-presidente americano, desabou em 2019 sem o fim das esmagadoras sanções econômicas. Desde então, ele prometeu liderar seu país através das restrições, construindo uma “economia autossuficiente” que depende menos do comércio com o mundo exterior. Em seguida, a pandemia atingiu o país, aprofundando os problemas econômicos do Norte.

“A condição econômica do Norte é a pior desde que Kim Jong-un assumiu o cargo há uma década”, disse Ishimaru. “Se as pessoas estão com fome, os índices de criminalidade podem aumentar. Ele deve apertar o controle para deter a agitação social. ”

A Coréia do Norte apelou para que seu povo informasse e delatasse todos que assistem a K-dramas, de acordo com documentos contrabandeados pelo Daily NK. Mas muitos decidiram olhar para o outro lado, até avisando seus vizinhos antes das batidas policiais, afirmam os documentos. “O fenômeno da distribuição de publicações e propaganda impuras não está desaparecendo, e vai continuar.” 

Conheça 5 músicas de k-pop que são sucesso:

1. Boy With Luv - BTS feat Halsey

2. Fake Love - BTS

3. Kill This Love - BLACKPINK

4. DNA - BTS

5. DDU-DU DDU-DU - BLACKPINK

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.