Kabila pede ajuda à Alemanha para acabar com a guerra

O presidente da República Democrática do Congo (RDC, ex-Zaire), Joseph Kabila, informou nesta quinta-feira que dispensou os membros de seu gabinete da época de seu falecido pai porque eles "não são funcionais" e prometeu nomear novos ministros dentro de uma semana. Kabila viajou a Berlim para pedir aos líderes alemães ajuda econômica e apoio aos esforços para acabar com o conflito na enorme nação centro-africana, chegando ao país europeu logo após ter demitido repentinamente seu gabinete, numa tentativa de retomar o controle de um governo corrupto e ineficiente. Kabila disse que as mudanças no gabinete são necessárias para maximizar o potencial do país "para reagir a problemas enfrentados pelo povo". O povo espera "paz, desenvolvimento e responsabilidade por parte dos ministros de governo". Ele disse ainda que novas eleições serão convocadas "o mais rápido possível". Após uma reunião de aproximadamente uma hora, o ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, garantiu a Kabila seu apoio aos esforços para acabar com a guerra no país. "Kabila nos pediu que façamos tudo para que os agressores deixem o Congo", informou Fischer, negando-se a comentar a decisão tomada por Kabila de demitir seus ministros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.