Kadafi avança e ataca aeroporto em Benghazi

Forças leais ao ditador firmam cerco a rebeldes de Ajdabiya após bombardear a cidade com aviões e foguetes pelo segundo dia consecutivo

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2011 | 00h00

Aviões do ditador líbio, Muamar Kadafi, bombardearam ontem um aeroporto militar na cidade de Benghazi, no primeiro assalto contra o principal reduto rebelde no leste do país desde o início da revolta, há um mês. Aviões despejaram três bombas sobre a base do Exército de Al-Rajma, 30 km a leste de Benghazi.

As forças de Kadafi consolidaram ontem o cerco a Ajdabiya e alinharam tanques na estrada que liga a cidade a Benghazi. O objetivo, aparentemente, era interromper a linha de comunicação entre os rebeldes no interior de Ajdabiya e eventuais reforços vindos de Benghazi.

As "kataeb", brigadas leais ao regime, atacaram os insurgentes com aviões e foguetes na cidade pelo segundo dia consecutivo. Centenas de moradores deixaram ontem Ajdabiya.

Numa segunda frente, as kataeb atacaram com tanques e artilharia a cidade de Misrata, terceira maior da Líbia e única na região oeste ainda sob controle dos rebeldes, a 130 km da capital, Trípoli. Rebeldes na cidade de 450 mil habitantes disseram à Reuters ter lançado uma contraofensiva e tomado tanques das forças leais ao regime.

Saif al-Islam, o filho de Kadafi que aparentemente estava sendo preparado para suceder ao pai antes do início do levante há um mês, afirmou em entrevista à TV Euronews que "dentro de 48 horas (até amanhã) tudo estaria acabado".

Saif disse também que as tropas do governo estavam "perto de Benghazi" - o que não foi confirmado, a menos que 160 km possa ser considerada uma distância curta. "Não queremos matar, não queremos vingança, mas vocês, traidores, mercenários, cometeram crimes contra o povo líbio. Vão embora em paz para o Egito."

Diante da ofensiva das forças de Kadafi, a secretária de Estado americano, Hillary Clinton, pareceu ter deixado ontem em aberto a possibilidade de uma intervenção internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.