Kadafi contra-ataca e tenta retomar cidades próximas a Trípoli

Rebeldes fecham cerco contra ditador, que sofre com sanções e pressão internacional por saída

estadão.com.br

28 de fevereiro de 2011 | 21h26

BENGHAZI - Tropas leais ao coronel Muamar Kadafi empreendem contra-ataques e combatem os rebeldes que lutam pelo fim do regime em pelo menos três cidades da Líbia nesta segunda-feira, 28 (terça no país africano). O ditador usa as forças que restam para tentar impedir o ganho territorial de seus opositores com ataques aéreos e unidades militares especiais.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda

 

As forças do governo se confrontam com os rebeldes em Misurata e Zawiyah, a oeste e a leste de Trípoli, capital líbia e zona forte de Kadafi. Ambas as cidades estavam sob controle dos manifestantes, que fecharam o cerco contra o ditador nos últimos dias. Durante a segunda-feira, as tropas do coronel retomaram Ras Lanuf, no leste do país. A cidade de Ajdabiya também sofreu bombardeios.

 

 
Em Zawiyah, cidade com importantes recursos para o setor petrolífero - o mais importante para a economia do país, as tropas leais ao ditador atacaram diversas vezes durante o dia. Os rebeldes mataram alguns dos soldados do governo e capturaram outros, segundo os opositores. Alguns entregaram as armas e se uniram aos manifestantes.

 

Em Benghazi, cidade que está completamente sob controle dos rebeldes e é o maior reduto da oposição, aviões repetiram bombardeios como os realizados nos últimos dias, mostrando que apesar dos militares desertores, Kadafi ainda tem como lutar contra os que pedem o fim do seu regime. O local, porém, é agora campo de treinamento dos jovens que planejam ir a Trípoli derrubar o ditador a força.

 

Os bombardeios e a brutal repressão de Kadafi têm gerado contra o ditador uma grande onda de críticas na comunidade internacional, que elevou pressão por sua saída nesta segunda. Os EUA e a União Europeia impuseram sanções econômicas sobre os ativos do coronel e seus parentes, e Washington estuda, em conjunto com a Organização das Nações Unidas (ONU), a imposição de uma zona de exclusão aérea.

 

Kadafi foi à televisão ocidental pela primeira vez e falou que seu povo o ama, mas que o Ocidente o abandonou. O ditador recusa-se a dialogar com a oposição e ignora os pedidos pelo fim do massacre de sua população. Nesta segunda-feira, porém, foi dada a primeira demonstração internacional contra o líder líbio - o Pentágono reposicionou seu contingente militar ao redor da Líbia, mais perto de Trípoli.

 

Os americanos elevaram o tom contra o ditador nos últimos dias e, quando anunciaram que tinham um grande leque de opções para lidar com a crise na Líbia, não descartaram uma ação militar. O mesmo foi dito pelas autoridades do Reino Unido, embora nenhum indício mais forte de que haverá uma intervenção tenha sido dado.

 

Com New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.