Mohamed Messara/Efe
Mohamed Messara/Efe

Kadafi diz que Otan não vai vencer conflito em mensagens transmitidas na capital

Pelo menos 10 pessoas, entre elas uma mulher, morreram nesta sexta em Misrata

AE, Agência Estado

17 de junho de 2011 | 19h29

TRÍPOLI - Provocado por novos ataques aéreos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra Trípoli, o líder líbio Muamar Kadafi reagiu furiosamente contra a aliança nesta sexta-feira, 17.

 

Em uma ligação telefônica que pôde ser ouvida por alto-falantes por algumas milhares de pessoas que se reuniam na praça Verde, em Trípoli, no final do dia, Kadafi desafiou a aliança a manter os ataques.

 

A televisão estatal transmitiu a mensagem ao vivo, e a repetiu poucos minutos mais tarde.

 

"A Otan será derrotada", gritou ele. "Eles vão se retirar em derrota". O som de disparos de armas automáticas ecoou na praça durante horas enquanto carros cheios com partidários de Kadafi, muitos com crianças, se dirigiam para as ruas que levam à praça. Embora houvesse grande presença de policiais e soldados na praça, muitos que estavam no local vestiam roupas civis.

 

'Não os traidores'

 

Manifestantes e jornalistas estrangeiros na capital disseram que esta foi uma das maiores demonstrações desde o início dos ataques aéreos.

 

"Todos na Líbia querem o coronel Kadafi, não os traidores", disse Rajab Hamman, engenheiro de 51 anos de Trípoli, que estava na praça enquanto outros manifestantes disparavam pentes inteiros de seus rifles automáticos para o ar a poucos passos dali. "Esse são os verdadeiros líbios", disse ele, referindo-se à multidão.

 

No leste de Trípoli, forças de Kadafi entraram em confronto com rebeldes que, lentamente, estão quebrando o cerco do governo à cidade portuária de Misrata. Médicos no hospital Hikma, na cidade, disseram que nove rebeldes e uma mulher que viviam perto da zona de confronto foram mortos e outras 30 pessoas ficaram feridas. O número de vítimas do lado do governo é desconhecido.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaOtaninvasão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.