Kadafi 'está armando voluntários', diz Pentágono

Para vice-almirante americano, forças do ditador líbio ainda são ameaça

BBC

25 de março de 2011 | 18h24

WASHINGTON - Um alto funcionário do Pentágono disse nesta sexta-feira, 25, que os EUA tiveram acesso a informações que indicam que o ditador líbio, Muamar Kadafi, está dando armas a voluntários para enfrentar os rebeldes que controlam parte do país.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio
especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi 
  

"Não tenho certeza (...) se eles são voluntários de verdade ou não, e não sei quantos dessas pessoas ele (Kadafi) conseguirá recrutar, mas eu acho interessante que ele sinta a necessidade de buscar reforços civis", disse o vice-almirante William Gortney em uma coletiva em Washington.

Gortney disse que a ofensiva militar contra a Líbia reduziu a habilidade de Kadafi de comandar suas tropas pelo país, mas advertiu que as forças leais ao regime líbio ainda representam uma ameaça significativa. Ele também ressaltou que os EUA estão usando "todas as ferramentas disponíveis" para cortar as comunicações entre Trípoli e as forças aliadas ao ditador que estão combatendo os rebeldes no país.

 

Otan

 

 

Após quase uma semana do início dos ataques da coalizão internacional contra a Líbia, a Otan, que deve assumir nos próximos dias o comando da missão para manter a zona de exclusão aérea no país, indicou um general canadense para comandar as operações.

O general Charles Bouchard irá comandar as patrulhas e o monitoramento do espaço aéreo líbio, além das patrulhas na costa do país, no Mar Mediterrâneo. Os EUA, que lideram atualmente a missão, devem continuar comandando as operações em terra contra as forças de Kadafi.

Na última quinta-feira, o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, já havia anunciado que a aliança assumiria o controle da ofensiva militar internacional na Líbia. A mudança do comando poderia ocorrer já neste fim de semana.

Também nesta sexta-feira, o Catar se tornou o primeiro país árabe a participar da operação militar na Líbia. Dois caças do país sobrevoaram o espaço aéreo líbio acompanhados de aviões franceses em uma missão de monitoramento da zona de exclusão aérea.

Combates

Enquanto isso, os combates prosseguem no país. Há relatos de explosões na cidade de Ajdabiya, no leste do país, onde os rebeldes disputam o controle com as forças leais a Kadafi.

O correspondente da BBC Ian Pannell disse que era possível observar a fumaça de explosões nos arredores de Ajdabiya e que os sons de explosões eram constantes. Segundo ele, jatos britânicos atacaram tropas do governo na noite de quinta-feira, o que deu força aos rebeldes. Sem isso, eles estariam em desvantagem de armamentos e impossibilitados de lutar pelo controle da cidade, disse Pannell.

O Pentágono também informou que a coalizão internacional bombardeou alvos do regime nos arredores da capital, Trípoli, e em Sabha (centro-oeste do país). Em Misrata (oeste), um médico disse, em depoimento à BBC, que as tropas de Kadafi estão sitiando a cidade e preparando uma invasão.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.