Kadafi está bem e em Trípoli, diz porta-voz

Em gravação, líder líbio diz estar em local onde não pode ser morto ou encontrado pela Otan

Agência Estado e Reuters

13 de maio de 2011 | 15h04

TRÍPOLI - O líder líbio Muamar Kadafi está "em bom estado de saúde" e permanece na capital Trípoli, afirmou nesta sexta-feira, 13, o porta-voz do governo Mussa Ibrahim, negando declarações feitas pelo ministro de Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, de que Kadafi poderia estar ferido.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

 

"O líder está em bom estado de saúde, com moral elevado, espírito elevado" e "ele está em Trípoli", disse Ibrahim durante uma coletiva de imprensa, ao ser perguntado sobre as declarações de Frattini, feitas em Roma. Boatos sobre a saúde do ditador líbio também foram levantados depois de a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) dizer não ter informações sobre se ele estaria vivo.

 

Mais tarde, após as declarações de seu porta-voz, uma gravação de Kadafi foi transmitida pela televisão estatal, na qual o líder líbio estaria em um local onde a Otan não poderá encontrá-lo, nem matá-lo. "Digo aos guerreiros covardes que estou num lugar que não podem me encontrar nem me matar", disse na mensagem transmitida pela rede de TV Al-Jamahiriya.

 

A aliança militar bombardeou as instalações de Kadafi na capital líbia na quinta-feira. Outros ataques contra o complexo já haviam sido feitos anteriormente, inclusive matando seus familiares.

 

A Otan lidera a incursão contra as forças do ditador, aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Kadafi enfrenta há mais quase três meses uma guerra contra rebeldes que tentam acabar com seu regime, que já dura quase 42 anos.

 

Prisão

 

O procurador do Tribunal Penal Internacional, Luis Moreno Ocampo, vai requisitar mandados de prisão para Kadafi, o filho dele, e o chefe do serviço de inteligência da Líbia.

 

A informação é da rádio espanhola Cadena Ser, citando fontes da corte. Segundo a Reuters, Ocampo foi entrevistado recentemente pela rádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.