Kadafi está se escondendo em hospitais, diz fonte do governo britânico

A jornais, autoridade afirma que ditador líbio está preocupado e fugindo dos ataques da Otan

estadão.com.br

27 de maio de 2011 | 17h11

TRÍPOLI - O ditador da Líbia, Muamar Kadafi, tem se escondido em hospitais para fugir dos ataques aéreos que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) realiza contra suas instalações em Trípoli, afirmou uma autoridade britânica que acompanhava o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, na reunião do G8, informam jornais britânicos.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

As informações da fonte sobre o paradeiro de Kadafi, dada aos jornais Daily Telegraph e Guardian de forma anônima, é a primeira evidência de que as autoridades dos governos ocidentais e da Otan têm relatos sobre a movimentação do coronel líbio.

 

 

Segundo o Guardian, a fonte disse que Kadafi "está extremamente preocupado, fugindo, se escondendo em hospitais durante a noite". Além disso, os seus comandantes militares não podem se comunicar entre si por temores de que as ligações sejam rastreadas pela Otan.

 

 

"Há um consenso de que precisamos manter a pressão. Um fato importante é o de que Kadafi parece estar mudando de hospital para hospital, ou seja, indo de um lugar que não vamos atacar para outro lugar que não vamos bombardear", disse a autoridade britânica ao Daily Telegraph.

 

Os bombardeios da Otan são realizados sob tutela da resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que permite o uso de "todos os meios" para proteger os civis atacados por Kadafi. A aliança realizou cerca de 2,600 sobrevoos e ataques nos últimos dois meses contra as instalações militares do ditador.

 

Ainda segundo o Guardian, o fato de Kadafi estar preocupado estimulou Cameron e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, a autorizar suas Forças Armadas a usar helicópteros na Líbia. As aeronaves - Apaches, da Grã-Bretanha, e Tigers, da França - são equipadas com mísseis de alta tecnologia e pontaria, o que pode ajudar nos ataques contra alvos específicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.