Kadafi responsabiliza ONU por mortes de civis em cidade da Líbia

Ditador enviou carta ao órgão repudiando o 'horrível massacre', referindo-se a ataque da Otan

Efe

09 de agosto de 2011 | 20h54

ARGEL - O ditador líbio, Muamar Kadafi, acusou os países-membros do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) de serem diretamente responsáveis pela morte de 85 pessoas em um ataque da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra a cidade de Zliten, ao leste de Trípoli, segundo a agência de notícias oficial Jana.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia 

 

 

A fonte afirmou que Kadafi enviou nesta terça-feira, 9, uma carta aos membros do Conselho de Segurança na qual os acusa do "horrível massacre", mas não ofereceu mais detalhes sobre o conteúdo da mensagem.

 

 

O regime de Trípoli acusa a Otan de ter matado pelo menos 85 pessoas, entre elas 32 mulheres e 33 crianças, em um ataque a um assentamento em Zliten. O porta-voz do governo líbio, Moussa Ibrahim, declarou que as vítimas são civis.

 

A Aliança Atlântica rejeitou as acusações ao afirmar que o ataque foi realizado contra um complexo agrícola transformado em quartel das forças fiéis ao regime de Trípoli.

 

O Conselho de Segurança autorizou em fevereiro uma intervenção militar aérea contra as tropas e instalações do coronel e a Otan está à frente de tais operações. O objetivo da resolução era proteger os civis da repressão do governo, já que desde o início do ano os rebeldes empreendem uma revolução para tentar colocar um fim às quatro décadas de poder de Kadafi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.