Karzai critica esforço da Otan para conter baixas civis

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, criticou neste sábado os esforços da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para impedir mortes de civis durante suas operações militares no principal reduto da milícia fundamentalista islâmica Taleban no país. Em discurso na sessão inaugural do Parlamento afegão, em Cabul, Karzai qualificou os esforços da Otan como "insuficientes" e reiterou seu apelo para que combatentes do Taleban se afastem da Al-Qaeda e se juntem ao governo.

AE-AP, Agencia Estado

20 de fevereiro de 2010 | 18h33

O presidente mostrou a foto de uma menina de oito anos de idade, que ele diz ter sido a única sobrevivente da família após dois mísseis da Otan atingirem sua casa durante uma ofensiva na cidade de Marjah, no sul do Afeganistão. Ele classificou o incidente como uma tragédia para o país.

Karzai reconheceu que a Otan fez progressos na redução das baixas civis e de bombardeios aéreos. Contudo, ele enfatizou que os esforços não foram suficientes. Pelo menos 15 civis morreram apesar dos cuidados tomados. "Nós precisamos alcançar o ponto em que não haja vítimas", disse o presidente.

A ofensiva, que já dura uma semana, é a maior operação militar conjunta desde a invasão do Afeganistão, encabeçada pelos EUA em 2001, na esteira dos ataques de 11 de Setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
OtanAfeganistãoTalebanHamid Karzai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.