Karzai deve enfrentar segundo turno, diz diplomata dos EUA

Recontagem da Comissão de Queixas Eleitorais deixará atual presidente com menos de 50% dos votos

Reuters,

14 de outubro de 2009 | 13h15

O atual presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, provavelmente enfrentará um segundo nas eleições contra seu principal rival, Abdullah Abdullah, no início de novembro, informou nesta quarta-feira, 14, um ex-diplomata dos EUA próximo das investigações sobre as suspeitas de fraude na votação.

 

Veja também:

linkMissão da ONU admite fraude generalizada em eleição afegã

linkAfeganistão começa a recontar votos da eleição presidencial

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

Quase dois meses após o dia da eleição, o órgão de fiscalização da ONU ainda está verificando milhares de votos suspeitos de fraude para determinar se Karzai é o vencedor do pleito ou se ele deve enfrentar um segundo turno.

 

O ex-diplomata, Peter Galbraith, demitido em setembro da missão da ONU no Afeganistão, disse que o segundo turno parecia inevitável. "Eu espero que ao fim dessa semana a Comissão de Queixa Eleitorais terá anunciado sua decisão", afirmou Galbraith, conhecido por ser o mais próximo do enviado americano para o Afeganistão e o Paquistão, Richard Holbrooke. "O resultado deve trazer Karzai para menos de 50%. Há possibilidade de o segundo turno ocorrer na primeira semana de novembro", completou.

 

Karzai teve 54,6% dos votos no primeiro turno, mas várias acusações de fraude surgiram após as eleições. O presidente acusou a mídia ocidental de "exagerar as fraudes", que seriam insuficientes para realizar um segundo turno. Se a recontagem da Comissão de Queixas Eleitorais, entretanto, contabilizar menos de 50% dos votos para Karzai, ele deverá enfrentar o ex-ministro de Exteriores Abdullah Abdullah no segundo turno.

 

O atual presidente criticou duramente "forças externas" por interferirem nas eleições. Em uma entrevista a um canal de televisão na terça-feira, Karzai disse que a Comissão de Queixas Eleitorais deveria "provar que é imparcial e justa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.