Fabrizio Bensch/Reuters
Fabrizio Bensch/Reuters

Karzai diz que autores de atentado querem destruir unidade do país

Atentados contra a comunidade xiita de Cabul e Mazar-i-Sharif causaram a morte de 62 pessoas

Efe,

06 de dezembro de 2011 | 14h54

CABUL - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, condenou os dois atentados praticados nesta terça-feira, 6, contra a comunidade xiita de Cabul e Mazar-i-Sharif, que causaram a morte de pelo menos 62 pessoas, e disse que os autores do crime querem acabar com a unidade do país.

 

Veja também:

linkKarzai pede ajuda externa por mais uma década

"Eles não desejam que os afegãos permaneçam unidos sob a mesma bandeira", afirmou o líder em comunicado. Segundo o presidente, os atentados foram praticados por inimigos do islã e do país.

Karzai se encontra neste momento na cidade alemã de Bonn, onde foi realizada uma reunião entre autoridades afegãs e a comunidade internacional, na qual foi discutida como será realizado o apoio ao país nos próximos anos.

O principal responsável pela missão da Otan no Afeganistão, John Allen, emitiu uma nota na qual afirma que o crime foi perpetrado por insurgentes que se escondem sob um falso véu islâmico, mas que na verdade os atentados foram um ataque contra sua própria religião.

Allen ameaçou o líder dos talibãs, mulá Omar, e pediu que ele condenasse "estes atos grotescos de terrorismo". A milícia, no entanto, afirmou em comunicado enviado aos meios de comunicação que a organização não permite o ataque a afegãos em nome de sua religião, tribo ou procedência.

 

Esta terça-feira foi um dos dias mais sangrentos dos últimos tempos no país. Explosões mataram pelo menos 58 integrantes da comunidade xiita de Cabul e outros quatro de Mazar-i-Sharif.

 

Veja vídeo do atentado em Cabul:

 

Ataques a esse grupo minoritário do islã, que representa quase 20% da população do Afeganistão, não são comuns no país, ao contrário do que ocorre em outras nações muçulmanas, como o Paquistão e o Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
karzaiatentadoxiitaafeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.