Karzai nega haver diálogo de paz formal com o Taleban

Presidente, porém afirma que há contatos individuais de representantes do governo com os rebeldes

estadão.com.br

22 de agosto de 2010 | 12h43

WASHINGTON - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, negou que haja um processo formal de negociações de paz entre o governo e o Taleban, embora haja contatos individuais. As declarações do mandatário foram feitas em uma entrevista ao canal ABC transmitida neste domingo, 22, informa a agência de notícias AFP.

 

"Claro que há contatos individuais com alguns representantes do Taleban, mas não se trata de um processo formal", disse Karzai, afirmando que o "caminho" das negociações do governo com os insurgentes está bem claro.

 

"O Afeganistão está disposto a falar com os rebeldes que sejam do país e não sejam parte da Al-Qaeda, que não pertençam a nenhuma rede terrorista, que aceitem a Constituição afegã e os progressos conseguidos nos últimos anos, que estejam prontos para voltar à vida civil e normal e que não tenham vínculos com organizações fora do país", detalhou Karzai.

 

O presidente também disse que "a campanha contra o terrorismo sem dúvida pode ser vencida", mas que é preciso revisar os métodos de lidar com os insurgente. "Devemos proteger o povo afegão em vez de provocar a morte de civis, devemos colocar fim à corrupção", disse.

 

Karzai ainda disse que "o governo deve colocar fim às empresas de segurança privada que gastam bilhões de dólares e impedem que o Afeganistão desenvolva suas próprias forças de segurança". Ele ainda prometeu que o acordo de paz com o Taleban não ameaçaria os direitos das mulheres.

 

Os insurgentes, porém, se negam a dialogar com o governo antes da retirada das tropas internacionais lideradas pelos EUA. Os militares estão no país desde 2001, quando iniciaram as operações para derrubar o Taleban.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoKarzaiTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.