Karzai oferece cargos a rivais às vésperas de eleição afegã

Taleban intensifica campanha de intimidação de eleitores e diz que tem 200 homens-bomba

Lourival Sant'Anna, CABUL, O Estadao de S.Paulo

14 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, ofereceu ontem cargos no próximo governo a seus principais adversários, na tentativa de criar um clima de união nacional diante da violenta campanha da milícia fundamentalista Taleban para impedir a realização da eleição presidencial, no dia 20. Militantes taleban atacaram ontem com granadas propelidas por foguetes e tiros um comboio do ex-presidente Burhanuddin Rabbani, que fazia campanha para o principal rival de Karzai, o ex-chanceler Abdullah Abdullah, na Província de Kunduz, norte do país. Rabbani não foi atingido, mas três taleban morreram no confronto com seus guarda-costas. Karzai, que lidera as pesquisas de intenção de voto, disse que, se vencer, convidará os candidatos Abdullah e Ashraf Ghani, também ex-membro de seu gabinete, como ministro das Finanças, "para comer, tomar um chá e dar-lhes cargos", como fez da última vez. A menção pouco lisonjeira foi repelida pelos dois candidatos. "Não sou um candidato étnico, sectário, e sim um candidato nacional, mas não estou em busca de cargo no ministério", rejeitou Ghani - que, como Karzai e Abdullah, é pashtun, maior grupo étnico do país (42% da população). "Vamos esperar o dia da eleição e ver os resultados", desafiou Sayyid Agha Hussein, porta-voz de Abdullah. CORRUPÇÃOPesquisa realizada em meados de julho pelo instituto americano Glevum Associados conferiu 45% das intenções de voto a Karzai, seguido por Abdullah, com 25%. No total, são 36 candidatos. Se nenhum superar a metade dos votos, haverá segundo turno seis semanas depois do primeiro. Karzai governa o Afeganistão desde 2001, quando os EUA derrubaram o governo do Taleban, que se recusava a entregar Osama bin Laden, logo após os atentados do 11 de Setembro. Em 2004, a primeira eleição presidencial do Afeganistão confirmou Karzai no cargo. Seus críticos acusam seu governo de corrupção e incompetência. Militantes taleban em vários pontos do país, sobretudo no sul, onde se concentra a etnia pashtun, que forma o grosso do movimento, reiteraram ontem as advertências de que vão sabotar a eleição. Eles ameaçaram cortar o dedo dos eleitores marcado com a tinta indelével que indica que a pessoa votou. Panfletos distribuídos nas ruas e bazares, cartazes colados nas paredes de mesquitas e mensagens transmitidas por rádios clandestinas ameaçaram os eleitores afegãos com "forte punição". O Taleban afirma ter preparado 200 suicidas para explodir-se nos locais de votação no dia da eleição. "Ainda que houver cem explosões, vamos sair e depositar nossos votos", afirmou ontem Karzai. Abdullah também desafiou o Taleban ao realizar um comício na quarta-feira em Kandahar, no sul do Afeganistão, um dos principais redutos do movimento. Karzai abriu sua campanha no mês passado na cidade, sob forte esquema de segurança. Depois disso, evitou aparições públicas, voltando a se expor apenas na sexta-feira, em um comício no estádio de futebol de Cabul, onde o Taleban realizava execuções públicas. As eleições - além do presidente, serão escolhidos também os deputados das províncias (prefeitos e governadores são nomeados pelo presidente) - coincidem com uma escalada dos ataques do Taleban e com a reação dos EUA, que este ano estão duplicando sua presença militar no Afeganistão. O número de soldados americanos, que era 32 mil um ano atrás, deve chegar a 68 mil até dezembro. Somando-se o contingente da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), no total há 101 mil soldados estrangeiros no Afeganistão. A segurança no dia da eleição estará a cargo dos 83 mil policiais e 92 mil militares afegãos treinados pela Otan, que só intervirão em caso de necessidade, para evitar a imagem de uma votação tutelada por estrangeiros. VIOLÊNCIAAs forças da coalizão que reúne a Otan e os EUA informou que três de seus militares morreram ontem na explosão de um artefato improvisado, colocado em uma estrada no sul do país, sem fornecer mais detalhes. Mais de cem soldados da coalizão já morreram desde o início de julho, o mês mais sangrento desde a invasão do Afeganistão, em outubro de 2001. No total, nesse período, foram mortos mais de 1.300 militares da coalizão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.