S.Sabawoon/Efe
S.Sabawoon/Efe

Karzai pede que Taleban aceite ofertas de reconciliação com o governo

Líder da insurgência reiterou que militantes não irão negociar para encerrar o conflito no Afeganistão

AE, Agência Estado

16 de novembro de 2010 | 20h41

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, pediu hoje aos insurgentes que abandonem a violência e aceitem ofertas de reconciliação do governo. Karzai usou o feriado islâmico do Eid al-Adha, ou Festa do Sacrifício, para emitir um apelo para a paz.

 

Veja também:

linkEUA propõem à Otan fim de missão no Afeganistão até 2014

linkTropas do Canadá ficarão no Afeganistão após fim da missão de combate

 

Na celebração, os muçulmanos tradicionalmente matam ovelhas e vacas em lembrança à oferenda de Ibrahim (Abraão) a Deus de sacrificar seu próprio filho.

 

"Solicito e espero que todos os nossos irmãos e compatriotas que estão descontentes ou que pegaram em armas contra a sua gente e seu país por qualquer motivo, que aceitem os esforços de paz do povo afegão e aceitem uma vida feliz e segura por meio do Alto Conselho de paz", disse Karzai a jornalistas, depois de orar junto a ministros, legisladores e funcionários de seu governo.

 

O presidente tem aumentado suas aproximações ao Taleban no último ano como parte de um esforço para conseguir negociações. Com este objetivo, ofereceu a retirada dos taleban das listas negras de viagens e o estabelecimento de um conselho de paz como organismo formal de mediação.

O Taleban tem insistido que não negociará.  Karzai falou após o líder da insurgência, o mulá Mohamed Omar, distribuir uma mensagem para o feriado, dizendo que o grupo fundamentalista planeja expandir em breve suas atividades bélicas para o país inteiro e também negando que os insurgentes pensem em se reconciliar com Karzai.

 

Hoje, ataques do Taleban mataram dois soldados afegãos e quatro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.