Karzai promete entregar Bin Laden

O futuro chefe do governo interino do Afeganistão, o comandante pashtun Hamid Karzai, pediu à população afegã que ajude a capturar o líder supremo da milícia Taleban, mulá Mohammed Omar, o terrorista Osama bin Laden e milhares de combatentes estrangeiros de sua organização, a Al-Qaeda. Karzai prometeu entregar Bin Laden e Omar à Justiça internacional. No Cairo, a família do principal assessor de Bin Laden, o egípcio Ayman al-Zawahri, publicou hoje uma nota na seção de obituário de um jornal egípcio, confirmando assim a morte dele, sua mulher e três filhas em um bombardeio americano no dia 2. Um ativista islâmico residente em Londres, Hani el-Sabaei, disse à Associated Press que outros parentes de árabes integrantes da Al-Qaeda morreram no mesmo ataque. O mulá Omar desapareceu na sexta-feira de seu feudo, Kandahar depois de ter feito um acordo para render-se às forças de Karzai. O chefe de pessoal da Casa Branca, Andrew Card, disse hoje que os militares americanos estão "bastante seguros" de que Omar ainda está em Kandahar, mas a TV a cabo CNN garantiu, citando como fontes comandantes anti-Taleban, que ele deixou a cidade na sexta-feira à noite "rumo a local desconhecido". Karzai desmentiu hoje notícia divulgada na sexta-feira pela emissora britânica BBC e o diário The Times assinalando que Omar estava em lugar seguro perto de Kandahar, sob a proteção do ex-combatente mujahedin, Naqib Ullah. A informação fora dada por Khaled Pashtoon, porta-voz de uma outra facção anti-Taleban, dirigida pelo ex-governador de Kandahar Gul Agha. Karzai reiterou hoje que o acordo para a rendição de Kandahar não prevê anistia para Omar nem Bin Laden e garantiu que na sexta-feira à tarde já não restava nenhum soldado taleban na cidade. Todos partiram depois de terem entregue suas armas a uma comissão de notáveis. Os chefes tribais e líderes locais se preparam para realizar uma reunião da Shura, o tradicional conselho afegão, para definir a distribuição de poder nas regiões pashtuns e evitar confrontos entre facções. A Shura teria sido convocada às pressas depois dos atos de pilhagem que se seguiram à retirada dos taleban da cidade. Além disso, a BBC informa que há choques entre tropas leais a Karzai, Agha e Ullah. Forças americanas estão atacando por ar e terra combatentes talebans que não se renderam e o chefe do Comando Central dos EUA, general Tommy Franks, admitiu que o país pode enviar mais marines para o território afegão, onde já estão 1.200 na região de Kandahar. Ele não deu mais detalhes sobre os combates. A aviação americana prosseguiu com os pesados bombardeios ao complexo de cavernas de Tora Bora, a leste de Jalalabad, onde combatentes anti-Taleban acreditam que Bin Laden e seus assessores estejam escondidos. A CNN informou que escutas de conversas por rádio entre membros da Al-Qaeda indicam que Bin Laden está na região. Um líder anti-Taleban o teria visto perto das montanhas de Tora Bora. A Marinha americana, auxiliada por unidades britânicas e francesas, patrulha as costas do Mar da Arábia para evitar que ele fuja por mar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.