Karzai quer interrupção de ataques noturnos da Otan

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, exigiu nesta terça-feira a interrupção imediata dos ataques noturnos realizados pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), depois de a aliança militar ter afirmado que as operações serão mantidas, apesar da morte recente de uma mulher grávida.

AE, Agência Estado

20 de dezembro de 2011 | 13h42

Karzai tem liderado as críticas públicas contra os controversos ataques, afirmando que elas ameaçam as vidas e perturbam as comunidades locais. Ele tem repetido seus pedidos para que as forças internacionais, lideradas pelos Estados Unidos, interrompam a invasão de casas de afegãos.

As últimas críticas tiveram início depois que a mulher grávida de um funcionário do setor de combate às drogas morreu durante um ataque na província de Paktia, leste do país, nas primeiras horas de sábado, quando as forças da Otan revidaram disparos feitos de um complexo.

A Otan defendeu as operações como sendo o meio mais seguro para combater os líderes insurgentes, afirmando que eles serão mantidos, mas com crescente envolvimento das forças especiais afegãs.

"O presidente do Afeganistão quer a interrupção imediata das ações noturnas e às buscas em casas afegãs", disse o porta-voz da presidência, Aimal Faizi. "Ele não quer que nenhum estrangeiro vá a casas de afegãos e realizem revistas por lá."

Uma reunião da loya jirga (reunião de líderes tribais) realizada no mês passado qualificou a interrupção dos ataques como condição para um documento de parceria estratégica, que é negociado em Washington.

O acordo vai conduzir o relacionamento entre tropas norte-americanas e o governo afegão, após a retirada das tropa de combate em 2014. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoOtanKarzaiataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.