Karzai questiona disposição de aliados em agir contra o Paquistão

Presidente afegão diz que luta contra o terrorismo deve ser dar em campos fora de seu país

Reuters

29 de julho de 2010 | 09h24

CABUL - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, questionou nesta quinta-feira, 29, a disposição de seus aliados do Ocidente a atacar bases de militantes islâmicos no vizinho Paquistão e de pressionar o governo de Islamabad a combater de forma mais convicta a insurgência Taleban.

 

Veja também:

blog Chacra: Maior aliado dos EUA ajuda o Taleban

lista  Leia a íntegra no Wikileaks  (Em inglês)

 

"A guerra contra o terrorismo não é nos vilarejos e casas do Afeganistão, mas nos santuários, fontes de formação e treinamento de insurgentes, e eles estão fora do nosso país", disse Karzai", referindo-se às evidências apresentadas em documentos secretos dos EUA vazados que mostram o apoio do Paquistão ao Taleban.

 

"É diferente questionar se o Afeganistão pode combater o Taleban, mas nossos aliados tem condições disso. A questão agora é se eles vão ou não tomar essas ações" contra a política de apoio de Islamabad à insurgência, completou o presidente afegão.

 

Os documentos, divulgados no domingo pelo site Wikileaks, mostram que O Serviço de Inteligência do Paquistão colabora ativamente com o Taleban no planejamento de ataques contra o Afeganistão. Islamabad, porém, nega qualquer vínculo com os terroristas.

 

"Estes documentos provam que o Afeganistão estava certo sobre a causa da guerra neste país", declarou Karzai, que tachou de "extremamente irresponsável" a aparição de nomes de informantes afegãos nos papéis. O presidente disse que o governo já conhecia os dados divulgados nos documentos e havia alertado a respeito.

 

Karzai, porém, evitou criar rusgas nas relações com o Paquistão. "No futuro, claro que continuaremos nossos esforços para estabelecer relações amigáveis, estáveis e firmes com todos os nossos vizinhos", disse o presidente, que disse precisar de 150 mil soldados da coalizão internacional que combate a insurgência no país para cumprir a meta de colocar as forças nacionais como responsáveis pela segurança até 2014.

 

O presidente afegão lançou no início do ano um plano de paz e reconciliação com o Taleban. Durante meses, houve notícias de que autoridades estiveram se encontrando com líderes insurgentes, mas ambas as partes negaram as reuniões na maioria das vezes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.