Karzai supera 50% dos votos em parcial e pode evitar 2º turno

Comissão da ONU pediu recontagem em algumas seções; mais de 720 acusações de fraude foram apresentadas

Agência Estado e Associated Press,

08 de setembro de 2009 | 10h45

O atual presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, superou os 50% dos votos, na mais recente parcial das eleições do país, informaram funcionários eleitorais do país nesta terça-feira, 8. Com isso, Karzai pode evitar a realização de um segundo turno.

 

Veja também:

linkComissão eleitoral vai anular votos de 447 seções afegãs

linkConfira a cobertura completa das eleições no Afeganistão

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

video Vídeo: Correspondente do 'Estado' fala do conflito no país

lista Perfil: Hamid Karzai é favorito à reeleição no Afeganistão

lista Perfis: Ex-ministros são os principais rivais de Karzai

 

O atual líder aparece com 54% dos votos válidos, com quase 92% dos votos apurados. Caso haja segundo turno, ele deve enfrentar o segundo colocado, o ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah.

 

Fraudes

 

A comissão com apoio das Nações Unidas responsável pela investigação das eleições presidenciais no Afeganistão afirmou, também nesta terça-feira, que foram encontradas "claras e convincentes provas de fraude" nos resultados da disputa. O órgão exigiu uma recontagem das seções eleitorais onde há problemas.

 

Acusações generalizadas de acréscimo ilegal de votos e registros suspeitos ameaçam a legitimidade da eleição de 20 de agosto, enquanto o país aguarda os resultados finais. Mais de 720 acusações de fraude foram apresentadas na Comissão de Reclamações Eleitorais.

 

O fato de a comissão ordenar recontagem parcial amplia as incertezas em torno da disputa. Uma eleição crível é vista como fundamental para os esforços apoiados pelo Ocidente, a fim de estabilizar o Afeganistão e obter apoio público na luta contra a

insurgência do Taleban.

 

A comissão não informou quantas seções deveriam realizar recontagens. Até agora, já foram identificados resultados questionáveis nas províncias de Ghazni, Paktika e Kandahar. Locais com 100% de comparecimento, ou com um candidato recebendo mais de 95% dos votos, precisarão ser auditados e recontados, informou a comissão em comunicado. Seções com menos de 100 urnas estarão isentas desse processo.

 

A comissão é formada por três estrangeiros e dois afegãos e tem a autoridade para ordenar a recontagem de qualquer urna, caso haja fortes indícios de irregularidades. Os membros internacionais são apontados pela ONU e os afegãos, pela Suprema Corte e pela Comissão Independente de Direitos Humanos Afegã.

 

Uma entidade separada é a comissão eleitoral afegã, que organiza o processo como um todo. Essa já descartou os votos de 447 seções, ou aproximadamente 200 mil cédulas, por fraudes.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoKarzaiAbdullaheleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.