Katrina favorece Obama no Texas

Negros deslocados de New Orleans após passagem de furacão, em 2005, fortalecem apoio de senador no Estado

Cristiano Dias, HOUSTON, TEXAS, O Estadao de S.Paulo

03 de março de 2008 | 00h00

A campanha da senadora Hillary Clinton pela candidatura democrata continua sua via-crúcis. A última péssima notícia, porém, não chega a ser nenhuma novidade. Ela vem dos bairros pobres de Houston, metrópole de 5 milhões de habitantes onde, desde outubro de 2005, vivem 100 mil negros que foram deslocados de New Orleans, na Louisiana, após a passagem do furacão Katrina. Seguindo a tendência nacional, 9 em cada 10 deles votarão no senador Barack Obama amanhã, nas prévias do Texas, fundamentais para que ela sobreviva na disputa.No sábado à noite, muitos deles foram a Windsor Village, uma das regiões mais carentes de Houston, assistir a uma palestra do pastor Kirbyjon Caldwell, uma das mais importantes lideranças negras da cidade, que orientou a comunidade local sobre o sistema de votação no Texas. O sentimento da maioria é de frustração pela demora do presidente George W. Bush em reconstruir New Orleans. Não se sabe exatamente quantos sairão de casa para votar amanhã, mas muitos analistas acreditam que, em razão da irritação com o governo federal e da mobilização nas ruas, eles podem chegar a 10% dos votantes em algumas seções eleitorais.Muitos continuam desempregados, e alguns não têm onde morar. "O impacto desse fluxo populacional foi sentido principalmente em escolas e hospitais. Caiu muito a qualidade dos serviços públicos da cidade", disse ao Estado o sociólogo Stephen Klineberg, da Rice University, um dos principais centros de ensino do Texas.Junto com os refugiados, porém, veio também uma cultura completamente nova, trazida por artistas plásticos, pianistas e trompetistas, que fizeram com que o jazz quebrasse o monopólio de um universo country dominado por devotos fanáticos por rodeios. O quadro atual de Houston se repete em todas as regiões metropolitanas do Texas. Dallas recebeu 60 mil refugiados de New Orleans. San Antonio e Austin, outros 60 mil. Hoje a comunidade negra representa 20% dos 23 milhões de habitantes do Estado, e muitos analistas apostam que o entusiasmo fará com que 1 em cada 3 eleitores seja negro."Amanhã, o voto negro será mais importante do que o latino. E é claro que os refugiados de New Orleans representam uma força razoável, principalmente em Houston", afirmou Brian Smith, cientista político da Universidade St. Edwards, de Austin. "Contudo, como a esmagadora maioria dos negros votará em Obama, não será um impacto tão profundo assim. É mais ou menos como seu time marcar um gol aos 44 minutos do segundo tempo quando já está ganhando de 3 a 0." Se o faro dos analistas confirmar o entusiasmo da militância de Obama nas ruas de Houston, a campanha de Hillary está em perigo. "Eu não acredito que ninguém, incluindo Jesus Cristo, faça o voto dos negros ir para Hillary", disse Jolanda Jones, vereadora de Houston, que chegou a trabalhar na campanha da senadora, mas mudou de idéia e hoje apóia Obama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.