AFP PHOTO/CRIS BOURONCLE
AFP PHOTO/CRIS BOURONCLE

Keiko amplia vantagem e atos antifujimoristas aumentam no Peru

Candidata oscila 1,5 ponto para cima e já tem mais de sete de vantagem para o centrista Pedro Pablo Kuczynski

O Estado de S. Paulo

27 Maio 2016 | 16h28

LIMA - A candidata conservadora à presidência do Peru, Keiko Fujimori, ampliou sua vantagem no segundo turno da disputa contra o centrista Pedro Pablo Kuczynski, indica uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 27. 

Segundo a projeção do instituto CPI e publicado pela Rádio Exitosa, a filha do ex-presidente Alberto Fujimori - condenado a 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade- tem 46% dos votos. Kuczynski tem 38,9%. Na comparação com a última pesquisa, a vantagem de Keiko oscilou 1,5 ponto para cima. 

O levantamento também sugere uma oscilação no índice de brancos, nulos e indecisos, que variou um ponto porcentual para cima. A maior parte deles é composta de eleitores que vivem no interior do país. 

A polarização entre as duas campanhas tem aumentado nos últimos dias. A  eleição ocorre no dia 5. Na tarde de ontem, um grupo de 20 mulheres contrárias à candidatura de Keiko protestou na frente do Palácio Presidencial, em Lima, e foi afastada do local pela polícia. 

"Somos contra Keiko porque não esquecemos os crimes do Fujimorismo", disse a líder do grupo, Sandra de La Cruz. "Ele foi uma ameaça para as mulheres."

Na década de 90, Fujimori foi acusado de esterilizar a força mulheres indígenas. Ele também foi condenado pelo assassinato de 25 peruanos durante seu governo e por quatro casos de corrupção.

Outro grupo intitulado "Não a Keiko" prometeu marchar no dia 31 contra a candidata. O líder do grupo esquerdista, Jorge Rodríguez, disse que votará de maneira crítica em Kuczynski. "Ela tem o apoio da mineração ilegal e de fanáticos religiosos", afirmou. "Suas propostas são cínicas."

A pesquisa da CPI foi feita com 1,8 mil pessoas entre os dias 23 e 24 e tem uma margem de erro de 2,3 pontos porcentuais. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.