Keiko aparece à frente em corrida presidencial no Peru

Novas pesquisas mostram uma disputa apertada pela presidência do Peru entre a congressista de centro-direita Keiko Fujimori e o esquerdista nacionalista Ollanta Humala, porém Keiko aparece um pouco à frente em duas das pesquisas.

AE, Agência Estado

16 de maio de 2011 | 14h48

Analistas políticos dizem que Keiko, de 35 anos, deve ter mais facilidade para ganhar apoio para o segundo turno, marcado para 5 de junho. Os avanços da conservadora são bem recebidos pelos mercados, por ela ser considerada mais favorável ao setor financeiro. "Há uma grande falta de confiança nos dois candidatos. Mas (a desconfiança) é maior para Humala e ele encontrará um caminho mais duro para crescer", disse Alfredo Torres, chefe do instituto de pesquisas Ipsos Apoyo.

As pesquisas mostram um grande número de indecisos e de eleitores que pretendem votar em branco, um voto de protesto em um país onde o comparecimento às urnas é obrigatório. Ontem, o Ipsos Apoyo afirmou que Keiko tinha 41%, enquanto Humala tinha 40%. O resultado é um empate técnico. Para 49%, Keiko daria melhor garantia de liberdade à imprensa, em comparação com 30% que consideram Humala melhor nesse quesito.

O estudo também concluiu que 46% acreditam que Keiko iria respeitar as instituições democráticas, em comparação com 34% para Humala, que já disse querer mudar a Constituição peruana. Humala controlaria melhor a corrupção para 48%, enquanto 33% dizem que Keiko se sairia melhor nesse ponto.

Outras pesquisas têm resultados diferentes. O instituto Imasen publicou uma pesquisa ontem, em um jornal favorável a Humala, o La República, que coloca o esquerdista à frente, com 41,6%, em comparação com Keiko, com 39,7%. Já uma pesquisa da Datum, divulgada hoje, mostrou Keiko com 46%, enquanto Humala tinha 40,2%. Pesquisa da CPI de ontem mostra Keiko com 52,9% dos votos válidos, e Humala com 47,1%.

Matérias recentes na imprensa peruana afirmaram que Humala, de 48 anos, recebeu financiamento do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em sua tentativa de 2006 de chegar à presidência. Humala negou as alegações. Na sexta-feira, ele divulgou um plano de governo modificado, buscando consolidar sua imagem como a de um moderado. Analistas políticos dizem que as várias mudanças em seu plano de governo podem ter enfraquecido sua credibilidade.

Keiko é filha do ex-presidente Alberto Fujimori, atualmente preso por crimes cometidos quando estava no poder. Humala é um militar da reserva, que apoiou duas rebeliões armadas contra o governo antes de começar a pleitear a presidência. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PerueleiçõesKeikoHumalaacirramento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.