Keiko buscará apoio de Kuczynski para segundo turno no Peru

Economista já havia sinalizado que 'não votaria' no concorrente da filha de Alberto Fujimori

Reuters

12 de abril de 2011 | 19h32

Atualizada às 8 horas de 13 de abril

 

Keiko comemora bons resultados no primeiro turno.

 

LIMA - Keiko Fujimori, candidata à presidência do Peru, disse ontem, 12, que buscará o apoio dos eleitores de outros postulantes ao cargo na disputa que travará com Ollanta Humala no segundo turno. Keiko citou o jovem eleitorado do economista Pedro Pablo Kuczynski como uma das forças para elegê-la presidente.

 

Veja também:

linkHumala traça alianças para 2º turno

blog Chacra: Resultado de eleição não afeta economia

 

"Espero ter a possibilidade de falar com o senhor Pedro Pablo Kuczynski e que nossa proposta, nosso plano de governo, seja sobretudo ouvido pelos simpatizantes, pelos jovens que votaram e apoiaram Kuczynski", disse Keiko, filha do ex-presidente Alberto Fujimori.

 

O economista foi o terceiro colocado no primeiro turno das eleições peruanas, ficando poucos pontos percentuais atrás de Keiko. Com 95,3% dos votos apurados, Humala mantinha-se na ponta, com 31,7%, seguido de Keiko, que tinha 23,5%. Kuczynski aparecia em terceiro, com 18,5%, e ex-presidente Alejandro Toledo em quarto, 15,6%.

 

As alianças que Keiko e Humala buscarão para o segundo turno, que ocorre no dia 5 de junho, serão fundamentais para o resultado final das eleições peruanas. Kuczynski disse anteriormente que não votaria em Humala, enquanto um porta-voz de Toledo disse que o ex-presidente não apoiaria Keiko, porque a candidata "representa o que o partido combate".

 

Nesta terça, porém, o economista evitou dar apoio explícito aos candidatos e propôs um "pacto pelo Peru", que consiste em seis pontos fundamentais. Entre esses aspectos estão "o respeito à Constituição e a rejeição a qualquer tentativa de perpetuação no poder", o combate à corrupção e à impunidade. Kuczyinski disse que tais aspectos são de interesse de todos os peruanos e negou que seu pacto seja uma manobra para atrair Keiko e Humala.

 

Os boletins sobre a apuração dos votos são divulgados pelo Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol). Dez candidatos concorreram à presidência na eleição, realizada no último domingo. As pesquisas de boca-de-urna e projeções baseadas nas primeiras apurações já projetavam um segundo turno entre Humala e Keiko.

Tudo o que sabemos sobre:
PerueleiçõesHumalaKeiko Fujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.