Keiko e Humala entram empatados na reta final no Peru

A seis dias da eleição, distância entre os dois candidatos é de menos de dois pontos e debate[br]pode ser decisivo

AP, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2011 | 00h00

Peruamos assistem ao debate entre Humala e Fujimori

     

 

LIMA - Os candidatos à presidência do Peru, Keiko Fujimori - filha do ex-presidente Alberto Fujimori - e Ollanta Humala, entram na última semana de campanha empatados nas pesquisas de intenção de voto. Em dois levantamentos divulgados ontem, a diferença entre ambos é inferior à margem de erro.

Na noite de ontem, seria realizado o último debate da corrida presidencial, que, segundo analistas, deve ser decisivo para conquistar os indecisos, que variam entre 8% e 10% do eleitorado.

Segundo o instituto Ipsos Apoyo, Keiko oscilou negativamente 1,3 ponto porcentual e agora tem 43,5% da preferência do eleitorado, contra 42,6% de Humala. O nacionalista variou 0,2 ponto para cima. Considerados os votos válidos, a filha do ex-presidente Alberto Fujimori tem 50,5%, e o esquerdista, 49,5%.

De acordo com o diretor do instituto, Alfredo Torres, os eleitores perdidos por Keiko não foram conquistados por Humala, e aderiram ao voto nulo. "A maioria dos eleitores não confia na sinceridade de nenhum dos candidatos", disse. "Por isso o empate persiste."

A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos, para mais ou para menos. Foram ouvidos 1.990 eleitores em todo o país.

De acordo com outra pesquisa, do instituto Imasen, Humala oscilou 2,2 pontos porcentuais para cima e tem 43,8% , contra 42,5% de Keiko, que subiu 2,8 pontos.

Excluídos os nulos, brancos e indecisos, o nacionalista lidera por 50,8% a 49,2%. A margem de erro é de 2,2 pontos .

Segundo a diretora do Imasen, Giovanna Peñaflor, o debate seria crucial para ambos. "O encontro de hoje (ontem) será vital para consolidar a imagem que os dois tentaram construir para ganhar a confiança de quem não acredita neles."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.