Kerry acusa Assad de obstruir negociações de paz sírias

O secretário de Estado norte-americano John Kerry acusou nesta segunda-feira o presidente sírio Bashar Assad de obstruir as negociações de paz e pediu à Rússia que incite seu aliado a negociar com os líderes opositores.

Agência Estado

17 de fevereiro de 2014 | 11h34

"Até agora, Bashar Assad não se envolveu nas discussões da forma prometida e exigida como Rússia e o regime falaram", disse Kerry durante coletiva de imprensa em Jacarta com o ministro de Relações Exteriores indonésio Marty Natalegawa.

Ele disse q ue o grupo que representa Assad "recusou-se a abrir um momento de discussão" a respeito de um governo de transição que substitua o regime de Assad. "Está muito claro que Bashar Assad está tentando vencer isso no campo de batalha em vez de ir para a mesa de negociação de boa fé", declarou Kerry.

As negociações de paz, realizadas em Genebra na semana passada, terminaram sem progressos na direção de encerrar o impasse de quase três anos de conflito na Síria.

Kerry, que chamou a Síria de "a tragédia do mundo" também disse palavras duras para os aliados de Assad em Moscou. "A Rússia precisa ser parte da solução e não contribuir com tantas armas e tanta ajuda que, de fato, estão permitindo que Assad intensifique suas ações, o que cria um enorme problema", disse ele.

A Rússia disse aos Estados Unidos que está comprometida em ajudar a criar um governo de transição, disse Kerry, mas não fez "o tipo de esforço para criar o tipo de dinâmica com a qual isso poderia ser alcançado".

No domingo, o ministro de Relações Exteriores da Síria, Walid al-Moallem, responsabilizou os Estados Unidos pela ruptura nas negociações, afirmando que o governo norte-americano tentou "criar um clima muito negativo para o diálogo em Genebra".

Washington e seus aliados europeus e no Golfo Pérsico apoiam a oposição no conflito sírio, enquanto a Rússia e o Irã dão suporte ao governo de Assad.

"As conversações estão em recesso no momento", disse Kerry nesta segunda-feira. "Mas todos nós precisamos lembrar que não há recesso para o povo sírio, que está sofrendo."

Kerry disse também que "a comunidade internacional precisa usar este recesso nas conversações de Genebra para determinar como usar este tempo da forma mais eficiente para chegar a uma solução política. "Nós continuamos a acreditar que não existe uma solução militar", declarou ele. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
KerrySíriaAssadRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.